Logo Observador
Guiné-Bissau

Governo da Guiné-Bissau distribui mais de um milhão de redes mosquiteiras contra paludismo

O Ministério da Saúde da Guiné-Bissau anunciou que vai distribuir mais de um milhão de redes mosquiteiras impregnadas de longa duração para prevenir e combater o paludismo.

A distribuição das redes mosquiteiras é feita através do Programa Nacional de Luta contra o Paludismo

ALBERT GONZALEZ FARRAN/UNAMID/HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Ministério da Saúde da Guiné-Bissau anunciou esta sexta-feira a distribuição de mais de um milhão de redes mosquiteiras impregnadas de longa duração para prevenir e combater o paludismo.

Segundo o diretor-geral para a Promoção e Prevenção da Saúde, Nicolau Quintino de Almeida, a distribuição das redes mosquiteiras é feita através do Programa Nacional de Luta contra o Paludismo e vai decorrer em três fases.

A primeira fase, a do recenseamento, decorre entre domingo e 30 de abril, e visa fazer um levantamento nacional de todos os agregados familiares do país, bem como a distribuição de senhas para levantamento das redes mosquiteiras, explicou o responsável, em conferência de imprensa.

A segunda fase, que decorre entre 31 de maio e 04 de junho, quando as famílias detentoras de senhas vão levantar as redes mosquiteiras nos 1.500 postos de distribuição espalhados pelo país.

Em 2015, a Guiné-Bissau registou 136.298 casos de paludismo, 11.479 dos quais considerados graves. No mesmo ano, morreram no país devido ao paludismo 450 pessoas. Os casos de paludismo aumentam com a época das chuvas que tem início em maio e prolonga-se até novembro.

A campanha, denominada ‘Durma seguro, durma sempre debaixo da tenda’, tem o apoio do Fundo Global, Organização Mundial de Saúde, Fundo das Nações Unidas para a Infância, Programa da ONU para o Desenvolvimento e de várias organizações não-governamentais nacionais e internacionais.

Na campanha do Ministério da Saúde vão participar cerca de 3.000 agentes de saúde comunitária e voluntários, 234 supervisores de proximidade, bem como 66 supervisores regionais e 33 supervisores nacionais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.