Smartphones

Japoneses criam capa de telemóvel para combater o vício

133

Uma empresa japonesa criou uma capa de telemóvel que pode ajudar os pais a evitar que as crianças ou jovens fiquem viciados nos dispositivos.

Pixabay

Chega ao mercado em agosto uma capa para smartphone que pode ajudar os pais a evitarem que os filhos fiquem viciados na tecnologia. Segundo o The Telegraph, a capa, que para ser retirada precisa de uma chave específica, permite que os pais definam os períodos em que as crianças podem utilizar os smartphones.

Através de uma app que é instalada nos smartphones dos pais, é possível limitar os tempos de utilização a determinados períodos e determinadas horas.

A capa de telemóvel, que se chamará OTOMOS, também traz sensores de movimento que impedem a utilização enquanto a criança está em movimento, ou seja, para evitar que esteja a caminhar e a olhar para o ecrã. Péssimas notícias para os jogadores de Pokémon Go, portanto.

A empresa que se prepara para começar a vender a capa, para já apenas nas lojas japonesas, chama-se Momo Ltd, sediada em Kobe. Segundo declarações de Masato Otsu, presidente da empresa, à agência Kyodo, citadas pelo The Telegraph, a capa também irá ter capacidade de detetar choques súbitos, como acidentes rodoviários, e envia uma mensagem para o telemóvel dos pais.

“Desenvolvemos o produto depois de ouvir vários pais, as suas preocupações e opiniões, que têm filhos que usam o smartphone“, diz Masato Otsu, explicando que os pais japoneses (para já) vão poder comprar a capa e entrar num contrato de fidelização que custa o equivalente a menos de 5 euros por mês.

Há uma geração que não desliga. iAgora?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Internet

Mais solitários do que supomos

Laurinda Alves

Passamos a vida ligados e raramente nos conseguimos desligar. Temos muitas razões para isso e muitas delas extraordinariamente válidas, mas também sabemos que facilmente exageramos. Acontece a todos.

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site