Smartphones

Novo BlackBerry prestes a chegar ao mercado

O KeyOne foi apresentado no Mobile World Congress e, no final de maio, vai chegar ao mercado norte-americano e canadiano.

Autor
  • Miguel Videira Rodrigues

A já conhecida BlackBerry trouxe a público, no Mobile World Congress, o novo smartphone da marca, o KeyOne. No final do mês de maio chega o momento aguardado em que este novo smartphone vai chegar a alguns mercados, mais especificamente ao Canadá (dia 18) e aos EUA (dia 31). Uma vez que a empresa já deixou a área de produção de equipamentos, o KeyOne tem a mão da TCL, mas inclui o teclado caracteristico da BlackBerry e que foi, desde sempre, o ponto de destaque da empresa.

BlackBerry deixa de fabricar telemóveis para se dedicar ao software

É um momento importante para a empresa que passou por tempos difíceis antes de decidir abandonar o mercado da produção de smartphones para se dedicar apenas ao software. O KeyOne traz um ecrã de 4,5 polegadas, uma câmara fotográfica de 12 megapixeis, um processador Qualcomm Snapdragon 625 e uma bateria de 3505 mAh.

Tal como sempre fez parte da imagem da BlackBerry, este smartphone foi desenhado para o mundo profissional mas o sistema operativo que corre é agora Android Nougat (7.1), incluindo as aplicações de produtividade da própria BlacBerry.

Sendo esta uma marca que se distinguia pelo teclado confortável (que também faz parte do KeyOne) e pela segurança do sistema, a empresa esforçou-se ao máximo para oferecer a melhor segurança possível aos consumidores que adquiram o equipamento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autárquicas 2017

Falar de André Ventura

Alexandre Homem Cristo

Ventura está a ser sobrevalorizado – enquanto candidato e, mais ainda, enquanto intérprete de novos rumos para a direita. Um erro que, perante a tentação de leituras nacionais, será importante evitar.

Estados Unidos da América

Carta da América

João Carlos Espada

Na América, está em curso um vigoroso renascimento conservador-liberal. Conseguirá a vaga conservadora em gestação na Europa acompanhar a linguagem liberal e anti-estatista da sua congénere americana?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site