Logo Observador
Passadeira Vermelha

Gala do Met homenageia extravagância

É oficial: a Met Gala é o mundo encantado dos vestidos excêntricos. Em homenagem a Rei Kawakubo, a diretora criativa da Comme des Garçons, a gala anual vestiu-se de avant-garde neste 1º de maio.

A Met Gala é conhecida como a festa do ano no calendário social de Nova Iorque e, por isso, sinónimo de irreverência, excentricidade e polémicas. A par da influente lista de convidados que reúne atores de Hollywood e reconhecidos nomes do mundo da moda, Anna Wintour, a diretora da Vogue norte-americana, voltou a ser responsável pela organização da gala de beneficência e recebeu a cantora Katy Perry e Pharrell Williams como anfitriões. Nomes de peso que abriram as portas do Metropolitan Museum of Art esta segunda-feira, 1 de maio, só para angariar fundos para o departamento de moda da instituição localizada em Nova Iorque.

O evento preza um código de vestuário diferente a cada ano e, por isso, os convidados devem vestir-se de acordo com a temática. Depois do dress code metálico de 2016, Comme des Garçons: Art of the In-Between foi o tema escolhido em honra a Rei Kawakubo, a famosa estilista japonesa que fundou a marca Comme des Garçons. Não faltaram, por isso, silhuetas vanguardistas, texturas fora da caixa e acessórios atrevidos à mercê da imaginação — ou não seria através da extravagância nas criações que a marca tem vindo a desafiar as silhuetas convencionais com volumes exagerados e inovação desde 1977. Mas vamos ao que interessa:

Rihanna saltou à vista, vestida pela casa francesa, num coordenado de duas peças repleto de bolas. Já a cantora Katy Perry, com um vestido Maison Margiela, preferiu usar um véu em tons de vermelho que a cobria da cabeça aos pés. Avant-garde foi também o conjunto oversized e sem braços da modelo Helen Lasichanh, fotografada ao lado do cantor Pharrell Williams em Comme des Garçons. Bem mais contemporâneas contam-se as escolhas de Jennifer Lopez (Valentino) e Kim Kardashian West (Vivienne Westwood) que, segundo a própria Vogue, foram das celebridades mais bem vestidas do evento. O casal Ryan Reynolds e Blake Lively é que não arriscou e optou por silhuetas mais elegantes e sóbrias.

Ryan Reynolds e Blake Lively vestiram a sua interpretação elegante da estética vanguardista. (foto: Getty Images)

As modelos Bella Hadid, em Alexander Wang, e Kendal Jenner, em La Perla, vestiram a sua interpretação da estética vanguardista e envergaram peças transparentes que mostravam (quase) tudo. Por sua vez, Lena Dunham escolheu um Elizabeth Kennedy com vários folhos em tons de bordeaux. “Nós levamos o tema mesmo a sério”, apontou a atriz ao New York Times. “Mas quantas celebridades é que têm coragem de usar Comme des Garçons numa passadeira vermelha?”, questiona o WWD. Muito poucas. Basta olhar para as escolhas simples da cantora Selena Gomez, ao lado do namorado The Weeknd, e de Karlie Kloss.

Esta foi a segunda vez, desde Yves Saint Laurent em 1983, que o tema da Met Gala e a respetiva exposição do Costume Institute honrou uma lenda da indústria de moda ainda viva. As celebridades não pagam bilhete para entrar mas quem quiser comparecer sem estar convidado paga, em média, cerca de 27 mil euros por bilhete e 252 mil euros por uma mesa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssilva@observador.pt
Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada.