Greve

Seguranças dos aeroportos em greve de 48 horas a partir de sábado

Os trabalhadores da segurança privada dos aeroportos vão estar em greve no sábado e no domingo, exigindo melhores condições laborais.

O protesto dos trabalhadores da Prosegur e da Securitas que garantem a segurança dos aeroportos tem como objetivo exigir a "contratação coletiva", "melhores condições de trabalho" e "uma carreira com dignidade"

Inácio Rosa/LUSA

Os trabalhadores da segurança privada dos aeroportos vão estar em greve no sábado e no domingo, exigindo melhores condições laborais, informou esta segunda-feira o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA).

Armando Costa, do SITAVA, disse à Lusa que se trata de uma greve de “48 horas corridas” em todos os aeroportos do país, incluindo os dos Açores e os da Madeira, e que “já foi apresentado o pré-aviso de greve”.

O protesto dos trabalhadores da Prosegur e da Securitas que garantem a segurança dos aeroportos tem como objetivo exigir a “contratação coletiva”, “melhores condições de trabalho” e “uma carreira com dignidade”.

O SITAVA lamenta que, num contexto de “crescimento exponencial de passageiros”, que se traduz num “aumento dos lucros da Vinci, da Prosegur e da Securitas e num aumento de receitas com as taxas de segurança (pagas pelos passageiros)”, estas empresas “aproveitem para retirar direitos aos trabalhadores”, uma situação que o sindicato considera ser “inaceitável”.

“Há quem esteja a ganhar muito dinheiro com o aumento de passageiros nos aeroportos nacionais, mas não são os trabalhadores que zelam pela segurança dos passageiros, pois esses são cada vez mais precários e vivem num contexto cada vez mais difícil”, aponta ainda o SITAVA, que garante que “tudo fará” para que a segurança nos aeroportos nacionais não fique comprometida.

Em maio, o SITAVA tinha emitido um outro pré-aviso de greve a todo o trabalho extraordinário entre os dias 3 de junho e 1 de outubro, depois de uma reunião insatisfatória com a TAP para discutir a proposta entregue em dezembro de revisão salarial para 2017.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde da Mulher

Rastreios e outro direito a escolher

Maria João Marques

Concluímos que estas decisões existem para permitir que se gaste mais em salários no SNS. Menor controlo do cancro da mama pela melhor causa: o PS comprar uns tantos votos aos funcionários públicos.

Governo

Vítimas do seu sucesso?

Luís Aguiar-Conraria

Costa não está a ser vítima do seu sucesso: está a ser vítima da hipocrisia do seu discurso. O facto de o Governo não repor as carreiras é a demonstração de que os cortes na despesa foram necessários.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site