Logo Observador
Atletismo

Erica Gomes conquista medalha de prata nos Mundiais de atletismo adaptado

1.362

A portuguesa Erica Gomes conquistou, esta segunda-feira, a medalha de prata na prova de salto em comprimento da categoria T20 (deficiência intelectual). A atleta bateu o seu recorde pessoal.

Erica Gomes fez a sua melhor marca à quinta e última tentativa, com 5,48 metros, tendo alcançado novo recorde pessoal

Federação Portuguesa de Atletismo

Autor
  • Agência Lusa

A portuguesa Erica Gomes conquistou, esta segunda-feira, a medalha de prata na prova de salto em comprimento da categoria T20 (deficiência intelectual) dos Mundiais de atletismo do Comité Paralímpico Internacional, que estão a decorrer em Londres.

Erica Gomes fez a sua melhor marca à quinta e última tentativa, com 5,48 metros, tendo alcançado novo recorde pessoal, à frente da sua compatriota Ana Filipe, que ficou com o bronze, após ter saltado 5,26. O ouro foi para a croata Mikela Ristoski, que fez 5,66 metros.

Cláudia Santos, que fez apenas dois saltos válidos, concluiu a participação portuguesa com o nono lugar da final, tendo ficado com 4,66 metros.

No salto em comprimento de T38, Maria Fernandes alcançou a sua melhor marca da temporada, com 4,28 metros, mas não conseguiu fugir ao sexto e último lugar da final.

Nos 400 metros femininos de T20, Carina Paim qualificou-se para a final, após ter sido terceira classificada da sua série, com o tempo de 1.01,86 minutos.

Também nos 400 metros T20, mas em masculinos, Luís Gonçalves assegurou a presença na final de sábado, apesar ter terminado a sua série na segunda posição. Apenas o primeiro lugar dava acesso direito, mas o português foi repescado por ter feito o segundo melhor tempo (49,84 segundos) das meias-finais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minorias

O machismo militante da histeria anti xenofobia

Maria João Marques

Os que gritam xenofobia perante a mais leve crítica a certas comunidades onde os maus tratos a mulheres são inerentes à cultura que tanto defendem, fizeram a sua escolha: apoiar a opressão de mulheres

Justiça

Sexo forçado no tribunal

Luís Aguiar-Conraria

Não sei que idade têm os juízes, nem a juíza que votou favoravelmente este acórdão, mas, seja qual for a sua idade, envergonharam Portugal que foi, mais uma vez, e muito bem, condenado pelo TEDH.