Greve

Trabalhadores do Metro de Lisboa suspendem greve marcada para agosto

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa decidiram, em plenário, suspender a greve que tinham agendado para 1 e 3 de agosto, disse à Lusa fonte sindical.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa entregaram no dia 18 deste mês um pré-aviso de greve de 24 horas para os dias 1 e 3 de agosto

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa decidiram esta terça-feira, em plenário, suspender a greve que tinham agendado para 1 e 3 de agosto, disse à Lusa fonte sindical.

De acordo com Anabela Carvalheira, da Fectrans — Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações, os trabalhadores decidiram suspender a greve no seguimento de o conselho de administração ter marcado reuniões com os trabalhadores, “ter vindo ao encontro de algumas das pretensões já antigas” e também por ter assumido o compromisso de “tudo fazer junto do Governo para a contratação dos novos trabalhadores que ainda faltam”.

Não totalmente confiantes, mas sim expectantes, iremos estar atentos e registamos e valorizamos esta atitude por parte do conselho de administração. Os trabalhadores decidiram dar aqui um compasso de espera para ver aqui se as coisas são realizadas sem termos de recorrer à luta na forma de greve”, acrescentou.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa entregaram no dia 18 deste mês um pré-aviso de greve de 24 horas para os dias 1 e 3 de agosto.

O Governo do PS e a administração do Metro de Lisboa, em vez de se empenharem em resolver os graves problemas herdados do Governo anterior (PSD+CDS), têm optado nesta empresa por um clima de confronto, através de alteração unilateral das regras de prestação de trabalho e horários”, indicou então a Fectrans, em comunicado.

O sindicato referiu ainda que “o que se precisa é que sejam admitidos os trabalhadores que são necessários, se dote a empresa do material circulante adequado, se melhorem as condições nas estações e que se respeitem os trabalhadores, que são aqueles que, diariamente, fazem tudo para, nas condições atuais, se consiga ter um serviço público com os padrões mínimos de qualidade”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site