Sexo

E o prémio de país com mais orgasmos do mundo vai para…

1.226

A propósito do Dia Mundial do Orgasmo, que se celebra esta segunda-feira, uma empresa de brinquedos sexuais publicou os resultados de um inquérito levado a cabo em 21 países -- incluindo Portugal.

Getty Images/iStockphoto

Prepare-se. E nem tente adivinhar, não chega lá. O país do mundo (pelo menos o mundo inquirido pela companhia sueca de brinquedos sexuais Lelo) onde se têm mais orgasmos é… a Noruega.

De acordo com os resultados publicados esta semana pela empresa para assinalar o Dia Mundial do Orgasmo, que se assinala esta segunda-feira, dia 31 de julho, 35% dos noruegueses tem pelo menos um orgasmo por dia. Em nenhum outro país se registaram médias tão altas.

Cerca de 2.200 pessoas em 21 países diferentes — Portugal incluído — responderam ao questionário no site da empresa. 30% dos brasileiros, surpreendentemente, admitiram ter apenas um orgasmo por semana e ficaram uns furos abaixo da média geral, que se fixou nos 2 ou 3. Por outro lado, arrebataram o galardão para país mais barulhento na cama: 65% dos brasileiros admitiram gritar na cama, seguidos de longe pelos noruegueses, 39,9% também têm o hábito de incomodar os vizinhos durante o sexo.

É exatamente no domínio barulho que surge a única referência aos portugueses: 42% dos que responderam ao questionário garantiram ser bem silenciosos, o que nos colocou no primeiro lugar do pódio dos mais discretos na cama. Podia ser pior: a Alemanha foi distinguida como a nação com mais pessoas nunca passaram sequer por essa experiência — 2,54% dos inquiridos admitiram nunca ter tido um só orgasmo para a amostra.

Por fim, mas não menos importante, vêm as referências aos países onde o clímax é mais intenso: Chile, Itália e Espanha, por ordem decrescente. Já no espetro oposto, o do país com orgasmos mais fraquinhos, está a Austrália.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assédio Sexual

O sexo politicamente incorrecto

Rui Ramos
375

O alegado comportamento de Harvey Weinstein e Kevin Spacey só é possível numa cultura onde o assédio sexual pôde passar por um “pecadilho” menor. E a chamada "libertação sexual" contribuiu para isso. 

Governo

Coutadas e conflitos de interesse

Luís Aguiar-Conraria
232

As nomeações recentes para a ANACOM mostram que o Governo ainda não percebeu a importância da regulação para um crescimento económico sustentável. Os conflitos de interesses eram mais do que óbvios.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site