Barcelona

O herói inglês que não quis deixar um menino morrer sozinho. “Não o podia deixar ali no meio da rua”

10.121

Turista britânico de 44 anos está a ser apelidado de "herói" por ter ficado junto do corpo do menino australiano de 7 anos que morreu atropelado nas Ramblas, mesmo quando a polícia dizia para fugir.

Depois da tragédia, os heróis. Muitas foram as imagens chocantes que resultaram do terror vivido na rua mais movimentada de Barcelona na última quinta-feira. Uma delas mostrava um homem ajoelhado ao lado de um corpo de uma criança, na rua deserta, apenas com agentes da polícias à volta. Agora foi conhecida a sua história: trata-se de Harry Athwal, um cidadão britânico de 44 anos, que não foi capaz de deixar uma criança morrer sozinha mesmo quando as autoridades pediam a toda a gente para saírem da rua e procurarem abrigo.

Harry Athwal, segundo conta o jornal catalão La Vanguardia, estava em Barcelona com a família para celebrar o oitavo aniversário do filho. Natural de Birmingham, estava num restaurante nas Ramblas quando a carrinha invadiu a zona dos peões e atropelou centenas de pessoas: 13 morreram, mais de 100 ficaram feridas. Apesar do caos, e dos repetidos avisos da polícia para fugirem e procurarem refúgio, uma vez que o condutor da carrinha estava em fuga, Harry Athwal avistou a criança inanimada e procurou socorrê-la.

“Estava inconsciente, tinha a perna dobrada e saía muito sangue da cabeça”, contou ao jornal britânico Metro, explicando que lhe mediu o pulso e viu que não tinha pulsação. “Passei-lhe a mão pelo cabelo e lavado em lágrimas decidi que tinha de ficar com ele, sentei-me ali, não podia deixar aquele menino sozinho no meio da rua”, disse, recordando que a criança tinha a mesma idade do seu filho.

“Parecia-se com o meu filho, era mais ou menos da mesma idade, uns sete ou oito anos”, disse.

A Proteção Civil catalã acabaria por confirmar este domingo que entre as 13 vítimas mortais estava uma criança australiano de sete anos, com dupla nacionalidade britânica. Trata-se de Julian Cadman, o menino que a família procurou durante três dias, dando-o como desaparecido na sequência do ataque em Barcelona.

Julian estava com a mãe naquela cidade catalã, onde iam a um casamento, sabendo-se que a mãe estava entre os feridos graves que deram entrada no hospital. Da criança não havia sinal, sendo que este sábado a polícia catalã admitiu estar a receber muitos pedidos de informação sobre ele, limitando-se a dizer que não havia desaparecidos, estando todos os feridos e falecidos a ser identificados.

Harry Athwal admite, contudo, que sentiu “muito medo” durante aqueles momentos em que esteve ao lado da criança. “Pensava a todo o momento que os terroristas podiam voltar, por isso é que não o podia deixar ali”, disse ainda ao jornal inglês.

Barcelona. Menino australiano de 7 anos é a mais recente vítima mortal identificada

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site