Educação

Universidade brasileira do Pará cria cátedra para o intercâmbio com Portugal

A Universidade do Pará criou uma cátedra em homenagem ao historiador português João Lúcio de Azevedo. A iniciativa é uma parceria com o Instituto Camões e a Universidade Nova de Lisboa.

A ideia é criar uma rede de intercâmbio entre investigadores brasileiros e portugueses

Jos

A Universidade Federal do Pará (UFPA) inicia este ano letivo uma cátedra em memória do historiador português João Lúcio de Azevedo, procurando formar uma rede de intercâmbio cultural e científico internacional com investigadores da Amazónia e Portugal.

O projeto resulta de um acordo entre o Camões – Instituto da Cooperação da Língua e a UFPA, estando prevista a assinatura de um protocolo na sexta-feira, com a presença do Embaixador de Portugal.

Segundo o Camões, a iniciativa pretende “estreitar os laços de colaboração” na pesquisa e difusão da história, cultura e literatura de Portugal e da Amazónia e nas suas relações com os países de expressão portuguesa.

O projeto inclui ainda ações de campo nessas regiões.

A universidade e a cidade de Belém do Pará comprometem-se a desenvolver iniciativas de caráter científico e cultural para a investigação nas áreas da cultura e literatura luso-afro-brasileira, bem como da história da língua portuguesa.

A proposta foi apresentada em maio de 2017, em Lisboa, e foi aprovada em agosto, tendo sido elaborada por uma equipa de docentes da Universidade Nova de Lisboa e da UFPA.

A cátedra João Lúcio de Azevedo estará vinculada à Pró-Reitoria de Relações Internacionais e ao Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazónia e as suas atividades serão desenvolvidas em parceria com a Universidade Nova de Lisboa e instituições da comunidade luso-brasileira no Pará.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descentralização

A doença do centralismo

Mário Amorim Lopes

Ninguém no seu perfeito juízo, e que não tenha vivido na União Soviética, acreditaria que milhões de pessoas submetiam currículos para um qualquer ministério que depois distribuía as pessoas pelo país

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site