Catalunha

Extrema-esquerda exige que Puigdemont “proclame a república catalã”

358

A Candidatura de União Popular enviou esta sexta-feira uma carta a Carles Puigdemont a exigir-lhe que proclame a independência. Esta quinta, a Assembleia Nacional Catalã já tinha pedido o mesmo.

Getty Images

Depois de a comunidade internacional se ter mantido impassível face as cargas policiais e militares que tentaram impedir milhares de votar no referendo e feriram pelo menos 900 no caminho, já não há qualquer “esperança de mediação internacional”, assumem na carta que enviaram esta sexta-feira ao presidente do governo autónomo da Catalunha os responsáveis da Candidatura de União Popular (CUP).

Por isso mesmo, continua o documento, citado pelo El País, é preciso que Carles Puigdemont proclame e o mais rapidamente possível a república catalã. De acordo com os responsáveis do movimento, de extrema-esquerda anticapitalista e com assento no parlamento da Generalitat, só assim a comunidade internacional vai reconhecer a Catalunha como um sujeito político de facto. “Se querem continuar a aplicar o previsto no artigo 155 da Constituição espanhola, então que o façam com a república já proclamada”, continua a carta.

E depois da declaração de independência? As 3 saídas para uma crise

“Ficarmos imóveis face às suas ameaças, às suas negociações e à sua autoridade, não nos permitirá existir como povo, não permitirá que nos governemos nem que avancemos na consecução de mais direitos e liberdades”, continua a CUP na missiva enviada. No fim, garante: a futura república catalã pode até não contar com o apoio de outros Estados e mercados, mas vai ter o apoio do povo.

Puigdemont já esta quinta-feira tinha sido também intimado pela Assembleia Nacional Catalã a efetivar a declaração de independência.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt
Catalunha

Não é independente quem quer

Jorge Pereira da Silva
118

No actual quadro, que Estados poderão reconhecer a Catalunha como um Estado independente? Se excluirmos porventura alguns Estados párias, a resposta é simples: nenhum. Vale a pena perceber porquê.

CDS-PP

A moção e a censura de um país

José Pinto

A Constituição não limita o direito à censura por parte dos cidadãos. É a essa censura – e revolta indignada - que nenhum Governo pode fugir. Face à censura coletiva, a discussão da moção nada adianta

Incêndios

O fogo e o papel de Portugal

José Barbedo

Enquanto a ocorrência de fogos faz parte do ciclo natural das florestas, a escala dos incêndios que tem ocorrido ao longo das últimas duas décadas era totalmente desconhecida no passado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site