Greve

Fenprof entregou pré-aviso de greve para 15 de novembro

371

A Federação Nacional dos Professores exije o descongelamento das progressões, recuperação dos anos de congelamento e contagem integral do tempo de serviço prestado pelos docentes.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A Federação Nacional dos Professores entregou esta terça-feira um pré-aviso de greve para 15 de novembro, exigindo o descongelamento das progressões, recuperação dos anos de congelamento e contagem integral do tempo de serviço prestado pelos docentes.

A greve de 24 horas é ainda justificada com reivindicações relacionadas com o regime específico de aposentação, horários que reduzam o desgaste da profissão, aplicação do direito comunitário na vinculação e concurso que promovam a estabilidade no emprego e nas escolas.

A greve abrange os educadores de infância e os professores dos ensinos básico e secundário, que exercem a sua atividade em estabelecimentos e outros serviços públicos ou de resposta social.

Segundo a Fenprof, 15 de novembro será um “dia nacional de luta dos professores”, coincidindo com a data em que, no Parlamento, o ministro da Educação irá debater na especialidade a proposta de Orçamento do Estado para 2018, onde procurará justificar as “insuficientes verbas destinadas à Educação”.

Quanto ao descongelamento da carreira docente, a Fenprof salienta que os professores recusam “qualquer perda de tempo de serviço que cumpriram de forma muito empenhada e com elevado profissionalismo” e repudiam qualquer afirmação que ponha em causa o mérito que têm na atividade que desenvolvem.

Após um período em que a sua carreira teve as progressões congeladas, a Fenprof considera “absolutamente inaceitável que o Governo queira, agora, apagar da carreira dos docentes mais de nove dos últimos 12 anos da sua vida profissional, precisamente, aqueles em que foram mais penalizados e sacrificados.

“Ao reivindicarem a justa contagem do tempo de serviço prestado, os educadores e professores estão legitimamente a exigir a reconstrução da carreira docente e a opor-se à sua destruição”, sublinha a estrutura sindical.

A Fenprof exige que o descongelamento da carreira docente seja negociado e está disponível para encontrar um processo faseado de recuperação, que permita a contagem integral do tempo de serviço.

“O que não aceita é o jogo de empurra a que se tem assistido entre diversos governantes”, adianta a Fenprof.

Os docentes reafirmam ainda a sua oposição a qualquer processo de municipalização da Educação e reiteram a necessidade de democratizar a gestão das escolas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Professores

Por que é que os professores não têm razão

José Manuel Fernandes
5.372

Os professores pedem progressões automáticas como as de outros funcionários públicos, mas nem sabem como tal é injusto quando pensamos no mundo real e não protegido dos trabalhadores do sector privado

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site