Incêndios

Bombeiros voluntários e profissionais querem fazer parte dos órgãos de decisão

A recém-criada Federação Nacional de Bombeiros Portugueses (FNBP), que une bombeiros voluntários e profissionais pretende ter assento em todos os órgãos de decisão política e legislativa da classe.

Combate ao incêndio que deflagrou na Marinha Grande.

TIAGO PETINGA/LUSA

A recém-criada Federação Nacional de Bombeiros Portugueses (FNBP), que une bombeiros voluntários e profissionais, pretende ter assento em todos os órgãos de decisão política e legislativa da classe e vai realizar um encontro nacional em 17 de dezembro.

Em conferência de imprensa, elementos da direção da FNBP, que junta a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP) e a Associação Portuguesa dos Bombeiros Voluntários (APBV), elencaram um conjunto de pretensões, entre as quais ter representação em todos os órgãos de decisão política e legislativa em matéria de bombeiros e fazer parte da gestão do Fundo Social do Bombeiro, entre outras, insistindo que “o sector está unido”.

A formação dos bombeiros e o papel da Escola Nacional de Bombeiros, a aposentação e a profissão de desgaste rápido, bem como os seguros de vida e de acidentes são itens sobre os quais a FNBP pretende dar o seu contributo.

Nós sabemos muito bem o que queremos e o que fazemos, no terreno trabalhamos em conjunto, mas às vezes para esconder problemas estruturais de organização usam-nos. É altura de ouvirem as nossas propostas”, disse Sérgio Carvalho, vice-presidente da ANBP, sublinhando que a Escola Nacional de Bombeiros “tem de ser revista” e que deve estar na dependência direta da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Segundo Rui Silva, presidente da APBV, “a federação entende que é necessário profissionalizar mais e melhor o sector e discorda dos atuais modelos”, alertando que atualmente em Portugal há “um socorro de primeira, segunda e terceira classes”, dependendo do local onde é prestado.

Outra questão levantada por Rui Silva prende-se com o pagamento de seguros: “não é possível que um bombeiro voluntário que tenha um acidente receba o seguro de acidentes pessoais indexado ao salário mínimo nacional”. “Não chega só chamarem-nos heróis. Gostaria que quem tutela tivesse algum cuidado nestes aspetos. São estas questões que unem bombeiros voluntários e profissionais”, frisou.

Fazer parte da gestão do Fundo Social é outra das reivindicações da federação que pretende que o montante do fundo seja tornado público e que o apoio aos bombeiros seja mais célere.

O fundo foi criado para os bombeiros, mas os bombeiros não veem o reflexo do fundo nem sabemos qual é o valor que tem, quantos milhões tem. Se é para apoiar os bombeiros nos acidentes, às famílias, para as propinas da escola, onde anda esse fundo e como chega aos bombeiros”, questionou Sérgio Carvalho.

Outra das críticas apontadas pela Federação é a idade da reforma dos bombeiros que está definida nos 66 anos e quatro meses, recordando que quase 200 bombeiros ficaram acidentados nos incêndios de verão e que lhes retiraram a bonificação que permitia antecipar cinco a seis anos a reforma.

Para as próximas semanas, mas ainda sem data marcada, está prevista uma reunião da federação com o secretário de Estado da Administração Interna. Além do encontro nacional marcado para 17 de dezembro em Carnaxide, a FNBP pretende elaborar uma Carta de Princípios ressalvando que “não pretende ser uma força de oposição, mas de colaboração”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site