Financiamento dos Partidos

“Alterações minimalistas” à lei do financiamento. Foi assim que o coordenador do grupo de trabalho descreveu as mudanças na comissão

A ata da reunião da Comissão de Assuntos Constitucionais a que foram levadas as alterações ao financiamento dos partidos refere só "alterações minimalistas", disse o coordenador do grupo de trabalho.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ata da reunião da Comissão de Assuntos Constitucionais à qual foram levadas formalmente as alterações ao financiamento dos partidos, hoje disponibilizada no ‘site’ do parlamento, refere apenas “alterações minimalistas”.

De acordo com a ata, o tema foi levado pelo coordenador do grupo de trabalho, José Silvano, à comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, no dia 18 de outubro, que “descreveu de forma sucinta os trabalhos”.

O documento refere que o grupo de trabalho “procurou promover alterações minimalistas, tendo em vista o denominador comum existente”.

Assim, os “trabalhos efetuados” foram “remetidos às direções dos diferentes grupos parlamentares, para a devida apreciação”, refere a ata.

O diploma em causa, que altera quatro leis relacionadas com o financiamento e fiscalização das contas partidárias e eleitorais, foi vetado na terça-feira pelo Presidente da República.

Na mensagem enviada à Assembleia da República, que acompanha o seu veto, Marcelo Rebelo de Sousa refere que “o fim de qualquer limite global ao financiamento privado e, em simultâneo, a não redução do financiamento público, traduzida no regime de isenção do IVA” foram normas incluídas no diploma sem fundamentação e constituem “uma mudança significativa” no regime em vigor, “tudo numa linha de abertura a subida das receitas, e, portanto, das despesas dos partidos”.

“Independentemente da minha posição pessoal, diversa da consagrada, como Presidente da República não posso promulgar soluções legislativas, consabidamente essenciais, sem mínimo conhecimento da respetiva fundamentação”, lê-se no documento.

Para o Presidente da República, a “democracia também é feita da adoção de processos decisórios suscetíveis de serem controlados pelos cidadãos. A isso se chama publicidade e transparência”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ribeiro e Castro

O apagamento da história e o futuro do CDS

Abel Matos Santos

Agora que o PSD escolheu Rui Rio, defensor da eutanásia, o CDS só poderá afirmar-se e ganhar espaço se deixar o pragmatismo envergonhado que o separa da afirmação plena da razão para o qual foi criado

Rui Rio

O líder da oposição

Maria João Avillez
102

Se o PSD fizer escolhas mais adequadas à nossa realidade e às suas circunstâncias em vez de alinhar na semi-ficção do país das maravilhas onde garantem que vivemos já estará a ser diferente. E melhor.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site