Rádio Observador

Violência

‘Horas de matar’ é um incentivo à violência ou uma criação artística?

143

Ex-secretário de Estado da Cultura Francisco José Viegas não tem dúvidas. Vídeo "é só uma provocação e uma tentativa para ter 'likes' no Facebook", diz ao Observador.

O vídeo foi divulgado ontem e tem perto de 7 mil visualizações no YouTube

No mais recente videoclip dos Mão Morta, o vocalista Adolfo Luxúria Canibal aparece a matar figuras destacadas da cena política e social sob o pretexto de essa ser a única “resposta poética à crise”. O tema gerou controversa e levantou a questão de se a mensagem pode ser lida como um apelo à violência ou se a liberdade de criação artística é imune a estas interpretações.

Francisco José Viegas, escritor e ex-secretário de Estado da Cultura, defende que não se pode tratar de um incentivo à violência. Até porque “as pessoas são mais inteligentes do que se pensa”, diz ao Observador. Trata-se apenas de “uma tentativa para ter ‘likes’ no facebook”, defende o escritor, acrescentando que o tema não chega a ser uma sátira nem uma crítica política – mas apenas uma “provocação”.

O cronista Pedro Mexia está mais indeciso: “Do ponto de vista político ou ideológico, o vídeo é lamentável”, diz ao Observador, reiterando que “não se pode aceitar a defesa da violência em democracia”. Mas do ponto de vista artístico “não se pode dizer que apela à violência porque isso seria tornar literal o discurso da arte”. Ou seja, depende do contexto interpretativo.

No primeiro vídeo de promoção do disco, Adolfo Luxúria Canibal é claro nas palavras. O álbum conta a história de “um indivíduo solitário que passa a sentir necessidade de intervir de forma eficaz”. “E a única forma eficaz que encontra é de matar”, diz. No videoclip passa das palavras aos atos e é visto a ‘matar’ a tiro homens e mulheres que representam os vários setores da sociedade, da religião à política, passando pela justiça e o setor bancário. Ao mesmo tempo, em plano de fundo, passam imagens de personalidades políticas como Passos Coelho, Cavaco Silva, Paulo Portas, António Gueterres ou Mário Soares.

Para o sociólogo e crítico de música Augusto Seabra trata-se de um exercício de liberdade de expressão, sim, mas que resvala o “populismo anti-democrático”, pelo “uso de uma arma de fogo associado a uma conjunto de imagens políticas”. E isso pode ser perigoso para a interpretação, diz ao Observador.

Apesar de sublinhar as dúvidas de que o trabalho seja “interessante” do ponto de vista musical, Pedro Mexia nota que a nova música da banda de Braga é coerente com o imaginário violento, surrealista, anarquista e de repugnância perante a sociedade transversal ao trabalho dos Mãos Morta e em particular de Adolfo Luxúria Canibal.

Para sustentar o seu ‘manifesto’ falado, o controverso cantor recorre mesmo ao histórico fundador da corrente surrealista André Breton, para dizer que “o ato poético mais simples é sair para o meio da rua com uma arma na mão e disparar ao acaso”. Um exercício que, segundo Pedro Mexia, “não é sensato” do ponto de vista cívico, mas que não pode ser dissociado da ideia de que é uma expressão artística, boa ou má – “não é isso que interessa” – e, como tal, “com autonomia”. Se as mesmas palavras fossem proferidas num cenário político, ai sim, seria um claro incentivo à violência, diz.

“Se alguém quer ir fazer política, deve ir fazer política”, remata Francisco José Viegas. “Não é de bom tom pôr-se a ‘matar’ pessoas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
105

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)