A pianista Maria João Pires celebra 70 anos em julho e a data é assinalada pelas editoras discográficas Deutsche Gramophon e Erato Recordings com edições especiais.

A alemã Deutsche Gramophon edita este mês uma caixa, com vinte CD, que reúne todas as gravações a solo da artista portuguesa para a etiqueta.

Somando mais de vinte horas de gravações, a caixa apresenta interpretações de obras de composições de Wolfgang Amadeus Mozart, Frédéric Chopin, Ludwig van Beethoven, Franz Schubert, Johannes Brahms, Robert Schumann e Johann Sebastian Bach.

A edição inclui as primeiras gravações que Maria João Pires fez para a Deutsche Gramophon – sonatas de Schubert e Mozart – depois de ter assinado um contrato de exclusividade com a editora em 1989, ano em que ganhou o Prémio Pessoa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Associando-se também ao 70º. aniversário de Maria João Pires, a editora Erato Recordings – incluída no grupo Warner – edita este mês uma caixa com 17 CD, composta pelas gravações que a pianista fez para a etiqueta entre 1972 e 1987, o período que antecedeu a relação com a Deutsche Gramophon.

Esta edição especial – cujo repertório inclui praticamente os mesmos compositores registados na caixa da Deutsche Gramophon – inclui solos, duetos e atuações ao vivo.

Considerando que Maria João Pires foi “uma das artistas que definiu o catálogo da Erato nos anos 1970 e 1980”, a etiqueta destaca nesta edição as parcerias da pianista portuguesa com o pianista turco Hüseyin Sermet (nos duetos de Schubert) e com os maestros Michel Corboz, Armin Jordan, Claudio Scimone e Theodor Guschlbauer.

Maria João Pires nasceu em Lisboa a 23 de julho de 1944. É a mais internacional e reputada das pianistas portuguesas, com um percurso artístico que remonta a finais dos anos 1940, quando se apresentou pela primeira vez em público com quatro anos.

Entre os prémios conquistados pelo talento artístico contam-se o primeiro prémio do concurso internacional Beethoven (1970), o prémio do Conselho Internacional da Música, pertencente à UNESCO (1970) e o Prémio Pessoa (1989).

Tocou com as mais importantes orquestras e nas mais relevantes salas de espetáculos do mundo e fundou o projeto artístico Associação Belgais, que fechou portas em 2009.

Numa entrevista ao jornal espanhol El Pais em 2011, Maria João Pires afirmou que gostaria de se retirar dos palcos até 2014. “Eu e o meu agente fixámos uma data: 2014, que é quando cumpro 70 anos”, disse na altura.