Evolução Humana

O grupo dos neandertais distingue-se por mandíbulas e dentes fortes

Num importante sítio arqueológico espanhol foram encontrados 17 crânios que, apesar de se assemelharem a neandertais, podem ter evoluído antes destes.

Crânio de um indivíduo encontrado em Sima de los Huesos

Javier Trueba/Madrid Scientific Films

Ao escavar uma pilha de ossos com 430 mil anos, numa gruta nas montanhas do norte de Espanha, um grupo de investigadores já descobriu mais de 6.500 ossos de, pelo menos, 28 indivíduos diferentes. Os 17 crânios descobertos, apesar das semelhanças com os neandertais, parecem pertencer a uma espécie ou subspécie anterior, revelou um estudo publicado esta quinta-feira na Science.

Os ossos foram retirados de Sima de los Huesos (abismo de ossos, em português), uma fenda onde possivelmente depositavam os mortos, localizada nas montanhas de Atapuerca – sítio arqueológico classificado de Património Mundial da Humanidade pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Os indivíduos apresentam uma série de características comuns com os neandertais (Homo neanderthalensis) – dentes e mandíbulas fortes e um nariz projetado para a frente. Aliás, são os fósseis mais antigos a apresentar estas características. No entanto, não têm um montículo de ossos na parte posterior do crânio comum a todos os neandertais, explica o comunicado de imprensa.

Neanderthal skull from the Sima de los Huesos cave in Sierra de Atapuerca, Spain

As mandíbulas e dentes fortes são uma característica distintiva – Javier Trueba/Madrid Scientific Films

A especialização na mastigação apresentada tanto por neandertais e como pelos espécimes pré-neandertais agora descobertos separa este grupo dos restantes hominíneos (subfamília a que pertence o homem moderno), considera Juan Luis Arsuga, investigador no Centro Misto UCM-ISCIII de Pesquisa sobre Evolução e Comportamento Humano em Madrid, e restante equipa responsável pela investigação. “Achamos que se deve ao facto de usarem a boca como ‘terceira mão’ ou por usarem os dentes da frente para agarrar e puxar coisas”, diz o investigador ao The Guardian.

Ainda, os 17 crânios analizados eram distintos dos de Homo heidelbergensis, espécie contemporânea e descrita anteriormente no mesmo sítio arqueológico, segundo o The Washington Post.

Mais tarde, na linhagem dos neandertais, o cérebro evoluiu e aumentou de tamanho, ao mesmo tempo, mas não da mesma maneira, que o cérebro de Homo sapiens (homem moderno). O novo grupo de hominíneos encontrado em Sima de los Huesos vem mostrar que na evolução do homem havia várias espécies aparentadas entre si, que provavelmente competiam para sobreviver.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)