Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Federação Nigeriana da Futebol (FNF) foi suspensa pela FIFA, com efeito imediato e por tempo indefinido, de participar em quaisquer competições internacionais. O castigo, anunciado esta quarta-feira, vem confirmar os avisos que a FIFA já tinha dirigido à entidade, após o presidente e o comité executivo da federação serem destituídos e substituídos por um responsável apontado pelo governo do país.

Os regulamentos da FIFA obrigam os membros a “gerirem” a sua atividade de forma independente e “sem influência de terceiros”. Algo que a organização que gere o futebol mundial considera ter acontecido, a 5 de julho, com a federação nigeriana.

Um dia após a Nigéria ser eliminada do Mundial, nos oitavos de final, pela França (2-0), o Supremo Tribunal da Nigéria ordenou a destituição da direção da FNF — e, ao mesmo tempo, encarregou o Ministro de Desporto do país de apontar um responsável que assumisse “provisoriamente” as funções do anterior comité executivo da federação.

A 6 de julho, Aminu Maigari, o então presidente da FNF, foi detido pelas autoridades quando regressou ao país. A FIFA, segundo a BBC, dera até ontem, terça-feira, para que o Maigari fosse restituído no cargo. Não o foi. E, agora, a entidade, presidida por Joseph Blatter, apenas retirará a suspensão quando “as decisões do tribunal forem abolidas e o comité executivo, a assembleia geral e a administração da FNF, eleitas apropriadamente, consigam trabalhar sem interferências”.

O castigo terá impactos imediatos. Caso o governo nigeriano não cumpra as exigências da FIFA, a suspensão impedirá a seleção nigeriana de futebol feminino de participar no Mundial de sub-20, que arranca a 5 de agosto, no Canadá.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR