Lionel Messi vai mesmo sentar-se no banco dos réus para responder por três alegados crimes de fraude fiscal. A juíza encarregada do caso em que o jogador argentino e o pai são arguidos decidiu, avança o jornal espanhol El País, manter a acusação por considerar que Messi “poderia ter conhecimento e ter permitido a criação e manutenção de uma estrutura fictícia que tinha como único objectivo fugir às obrigações tributárias”.

O número 10 do Barcelona, quando foi ouvido como testemunha, alegou desconhecer que a sociedade criada pelo pai para a gestão dos direitos de imagem do jogador servisse para fugir ao fisco. O próprio fisco espanhol acreditou na versão de Messi e pediu a absolvição do argentino, mas a juíza responsável pelo caso tem opinião diferente, e sustenta que Messi terá mesmo de se sentar no banco dos réus.

Em causa estão as receitas provenientes dos direitos de imagem de Lionel Messi entre 2007 e 2009 que deveriam ter resultado no pagamento de impostos num valor superior a 4 milhões de euros. Messi pagou entretanto perto de cinco milhões de euros ao fisco para tentar resolver o assunto, mas, como está visto, isso não chegou e o argentino vai mesmo enfrentar as acusação de fraude fiscal.