Dois designers portugueses radicados em Macau criaram uma plataforma de negócios criativos, através da qual estão a promover marcas lusófonas em feiras nos mercados asiáticos de Hong Kong e Taiwan. Designada Munhub, a plataforma é uma aposta dos designers Manuel Correia da Silva e Clara Brito, que vivem há cerca de uma década em Macau, onde detêm a marca Lines Lab.

“Este projeto surge com o objetivo de fazer o cruzamento de marcas de Macau ou dos países de língua portuguesa – que são aqueles com quem nós temos ligações privilegiadas –, nomeadamente Portugal e Angola. São marcas de design de produto e de moda que têm mais ou menos a nossa escala e o nosso perfil e interesse em expandir-se para esta zona do mercado asiático onde estamos sedeados”, disse à agência Lusa Clara Brito.

Além da Lines Lab, a Munhub trabalha atualmente com três marcas portuguesas (Manifesto Moda, Aforest Design e QWIU), uma angolana – a Louis de Gama, assinatura do estilista nascido em Angola e a viver há vários anos em Inglaterra – e uma de Macau: a ZICS, do designer San Lee. Algumas destas marcas participaram este mês no “Design Market” de Hong Kong, instalado numa antiga esquadra de polícia [PMQ-Police Married Quarters], cujo espaço foi entretanto convertido em lojas e galerias. E vão poder repetir a experiência em mais quatro domingos em outubro (dias 5 e 12) e novembro (2 e 9), uma vez que o evento foi dividido em três datas.

Além disso, a Munhub prepara-se para, de 8 a 12 de outubro, participar numa feira em Taiwan intitulada “In bed with designers’ Taipei”. “Resolvemos juntar estas duas feiras – a de Hong Kong e de Taiwan – na nossa primeira Asia Business Tour”, explicou Clara Brito, ao adiantar que o evento de Hong Kong gerou vendas e contactos que podem ser trabalhados ao nível de encomendas. “Houve inclusive lojas interessadas em representar as marcas”, acrescentou.

O objetivo, continuou Clara Brito, foi sempre ir além do mercado de Macau. “Para que a presença destas marcas seja mais consequente e frutífera, mesmo em termos comerciais, faz todo o sentido explorarmos esta zona do sul da China e não só, que é um mercado em expansão e no qual as marcas têm um especial interesse em ter representações”, sublinhou.

A designer adiantou ainda que a plataforma Munhub está aberta a mais países do universo lusófono. “Esta é a nossa primeira iniciativa, mas queremos outros mercados. Temos bons contactos com o Brasil, boas relações com Cabo Verde e Moçambique, por isso, a probabilidade é vir a crescer, mesmo ao nível das nacionalidades das marcas”, concluiu.