Em 2015, a Península Ibérica vai ter uma rede de estações de super carregamento da Tesla. Esta empresa norte-americana é considerada a mais inovadora na área dos automóveis elétricos e tem vindo a crescer de forma sustentada nos Estados Unidos. Para Portugal, está programada a construção de três estações. A localização no mapa não é rigorosa mas considerando a autonomia média do atual Modelo S (450 quilómetros) estas estações ficarão situadas no norte, centro e sul, permitindo deste modo ligar o país de uma ponta à outra — e daí para Espanha e para o resto da Europa.

Os modelos da Tesla estão entre os automóveis elétricos mais carismáticos da atualidade. São elegantes, potentes e apresentam uma capacidade de carga que, aos poucos, liberta os consumidores das preocupações relacionadas com a autonomia. Apesar disso, recarregar as baterias de um automóvel elétrico não é em nada comparável a encher um depósito numa bomba de gasolina, em particular no tempo despendido. O carregamento comum — na rua ou na garagem — demora horas, por isso são necessárias soluções que tornem viáveis as viagens de longa distância. A Tesla encontrou e desenvolveu uma solução a que chamou supercharger (super carregador), estações de alta capacidade (120 kW) capazes de carregar metade da bateria em 20 minutos — o tempo de uma paragem numa estação de serviço na autoestrada para tomar um café.

A rapidez e distribuição deste processo são fundamentais para a expansão da marca, por isso a Tesla está a construir uma rede de estações por toda a Europa. E já não se trata apenas de torres onde se ligam fichas elétricas: o Modelo S (o único atualmente em produção) está preparado para permitir a troca integral da bateria. Por isso as estações de super carregamento já existentes estão a ser convertidas em “estações Tesla”, onde é possível, em minutos, trocar uma bateria sem energia por outra completamente carregada. Este processo é revolucionário e resolve um dos problemas dos carros elétricos: a velocidade do carregamento. O outro problema, a quantidade e distribuição dos pontos de carga, está a ser resolvido pela companhia californiana.

No início do mês a Tesla anunciou a construção de uma fábrica de baterias de iões de lítio no valor de 5 mil milhões de dólares, um mega projeto que será feito em parceria com a Panasonic. De acordo com alguns analistas este é um passo fundamental para o crescimento da Tesla, por duas ordens de razão: permite aumentar a rede de abastecimento (e deste modo a confiança dos consumidores, que deixam de ter razões para argumentar a escassez de postos de carregamento) e fazer descer o preço do atual e futuros modelos da Tesla — o SUV (Modelo X) deverá ser posto à venda já no próximo ano.

A Zeev, empresa dedicada ao comércio de veículos elétricos (bicicletas, motos, automóveis e postos de carregamento), é o parceiro comercial da Tesla em Portugal. O Observador falou com Bruno Mendes, da direção comercial da Zeev, que confirmou a intenção da marca norte-americana em instalar postos de super carregamento em território nacional, mas não a sua localização ou data definitiva. Bruno Mendes afirmou que o Modelo S está à venda em Portugal e que a recetividade do público tem vindo a crescer, porque “as pessoas estão cada vez mais sensíveis à economia dos carros elétricos, começam a fazer contas e percebem que compensa”. O preço destes automóveis é elevado, mas a manutenção é quase inexistente e o consumo de eletricidade é muito baixo. O preço base do Tesla Modelo S é 75 mil euros.