So no one told you life was gonna be this way
Your job’s a joke, you’re broke, your love life’s D.O.A.
It’s like you’re always stuck in second gear
When it hasn’t been your day, your week, your month, or even your year, but

I’ll be there for you
(When the rain starts to pour)
I’ll be there for you
(Like I’ve been there before)

“I’ll be there for you”, The Rembrandts

O tempo passa, mas a amizade não ganha rugas nem passa de moda. A 22 de setembro de 1994, uma quinta-feira, o primeiro episódio da série televisiva Friends era emitido na NBC. Há 20 anos, Rachel (Jennifer Aniston), Ross (David Schwimmer), Monica (Courteney Cox), Chandler (Matthew Perry), Phoebe (Lisa Kudrow) e Joey (Matt LeBlanc) chegavam ao pequeno ecrã de muitos televisores para serem companhia (quase) constante da legião de fãs que, entretanto, foi criada — num primeiro momento, a audiência teria a oportunidade de ver Rachel Green a correr em direção ao Central Perk, o mítico café, num vestido de noiva. Era o início daquele que viria a ser um dos programas mais adorados de sempre, escreve a US magazine. A sitcom de uma geração, criação de David Crane e Marta Kauffman.

O episódio piloto, conta o Buzzfeed, foi 15º mais visto na televisão na respetiva semana de estreia, alcançado cerca 21,5 milhões de telespetadores, meta da qual, hoje em dia, só a série The Big Bang Theory consegue chegar perto. O número arredondou bastante desde então: foram 52 milhões os americanos que viram (possivelmente colados ao ecrã) o último episódio de Friends, série que inspirou penteados e modas, escreve o Guardian.

O sucesso estendeu-se invariavelmente aos atores envolvidos. Tanto Courteney Cox como Jennifer Aniston e Lisa Kudrow tornaram-se nas atrizes mais bem pagas da televisão, com um milhão de dólares (739 mil euros) por episódio, nas duas últimas temporadas do programa. De facto, os seis membros do tão acarinhado grupo foram os primeiros atores do pequeno ecrã a negociar em conjunto os ordenados, e a pedir que estes fossem equivalentes, a partir da terceira temporada, explica a brasileira Veja.

A efeméride redonda é notícia um pouco por toda a imprensa internacional e o enredo em volta dos seis amigos é motivo de diferentes abordagens. Há meios de comunicação que retiram lições para namorar, outros que mostram imagens dos primeiros tempos do programa e os que escolhem as “melhores” citações das personagens. A Billboard seleciona dez momentos musicais, à parte da icónica música que durante anos antecipou/apresentou os diferentes episódios, e há ainda pequenos quizes sobre a história em questão.

Também em reconhecimento da série, a Warner Bros fez uma compilação de momentos num vídeo de 236 segundos, uma homenagem ao mesmo número de episódios do programa, este que se prolongou por 10 temporadas e ganhou múltiplos Emmy.

Mas apesar do sucesso, nem todos se recordam de Friends com saudosismo. Em 1995, o crítico Richard Zoglin usava as páginas da revista Times para desconstruir o enredo e as respetivas personagens, acusando-as de inércia: “A Vida em Seinfeld [a série] pode ser descontraída, mas as suas personagens têm sempre um lugar para onde ir. Em Friends, a multidão está sempre por perto para partilhar os problemas mais recentes ou oferecer um ombro onde chorar. Mas quem quereria conselhos destes idiotas disfuncionais (…)?”.

À partida seria de adivinhar que Zoglin estaria, por esta altura, arrependido por ter publicado tais palavras… mas não é o caso. O meio norte-americano volta a tornar acessível, esta segunda-feira, a crítica que foi escrita há 20 anos (juntamente com uma nota do autor). E o que diz ele desta vez? Que o programa nunca ficou acima das suas raízes superficiais, que as piadas eram entregues de maneira maquinal e previsível. Ainda assim, há coisas boas a registar.

“Tornou-se mais fácil de ver ao longo dos anos graças à enorme familiaridade, à medida que os atores e os argumentistas mergulhavam profundamente nas personagens. E admito que o programa, em retrospetiva, parece melhor: comparado com o The Big Bang Theory (ou Two Broke Girls), Friends quase se classifica como cinema-verité”.

O certo é que, passados 20 anos, a série continua a ser apreciada em vários cantos do globo, garante o Guardian, e tem vindo a angariar novos fãs. Talvez porque, repita-se, a amizade não passa de moda.