Num seminário realizado no Consulado Geral de Portugal em Macau, Rui Moreira explicou os recentes desenvolvimentos de projeto na cidade do Porto, “nomeadamente nas indústrias criativas, com a ligação às universidades”, mas também no turismo, engenharia e medicina, e apontou ainda as oportunidades no imobiliário.

Em declarações aos jornalistas à margem do seminário, Rui Moreira disse ter “ótimas expetativas” sobre a visita a Macau.

“O governo de Macau convidou-nos e é uma oportunidade para nós. Temos uma geminação com Macau desde 1997 que nunca foi devidamente explorada e era altura de vir cá”, afirmou Rui Moreira.

Para o autarca, a geminação com Macau pode ser melhorada, nomeadamente ao nível das políticas públicas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Temos vindo a trocar impressões sobre questões de reabilitação urbana, ambiente, água e infraestruturas”, disse, acrescentando que as potencialidades na vertente cultural podem ser melhor aproveitadas “em termos de crescimento e desenvolvimento conjunto”.

“Finalmente, o aspeto de Macau querer virar-se, cada vez mais, para o lazer é uma área que nos interessa e em que podemos trocar experiências, e também naquilo que possa ser a atração de investimento cruzado”, realçou.

Rui Moreira destacou também que o Porto tem “uma série de empresas ‘start-up’ ligadas às universidades, que podem fazer o seu caminho em Macau”.

“O que tem acontecido no Porto, com as indústrias criativas, com muitas ‘start-up’ da universidade, em que estamos a ligar a parte da cultura com a investigação, por exemplo, são questões em que podemos encontrar aqui plataformas de crescimento”, sublinhou.

Já sobre Shenzhen, cidade do sul da China, situada na província adjacente de Guangdong e a menos de duas horas de Macau, Rui Moreira destacou os encontros realizados com o presidente do município, Xu Qin, e os contactos com grandes empresas como a tecnológica Huawei, fornecedora mundial de equipamentos para redes e telecomunicações, e também com outras empresas de menor dimensão.

“Algumas dessas empresas de Shenzhen já têm atividade em Portugal e outras são, ainda que indiretamente, nossas fornecedoras, curiosamente. Foi muito interessante verificar isso”, observou, ao dar o exemplo do que acontece com a fibra ótica no Porto.

“Nesse aspeto, se pudermos fazer negócios diretos entre o município e essas empresas, logicamente para o Porto é interessante sob o ponto de vista do custo”, defendeu.

Também em Shenzhen foram feitos contactos ao nível universitário.

“Estamos interessados em fazer cruzamento de bolsas de estudo com a Universidade de Shenzhen. É uma área que podia ser muito interessante, exatamente porque há muitas empresas da cidade que estão a apostar em Portugal, outras que estão a apostar na Europa, e que nós gostaríamos que usassem o Porto como base”, frisou.

Rui Moreira afirmou ainda que foram feitos convites ao chefe do Executivo de Macau, Chui Sai On, e ao presidente do Município de Shenzhen, Xu Qin, para visitarem a cidade do Porto, o que poderá acontecer “na próxima primavera”.