As duas maiores economias da zona euro, a alemã e a francesa, voltaram a crescer no terceiro trimestre do ano, mas ainda em níveis muito baixos, de acordo com os respetivos institutos de estatística. A Alemanha tinha visto a sua economia contrair no segundo trimestre, enquanto a França estava em estagnação.

Em dia de publicação dos dados da evolução da economia no terceiro trimestre do ano na zona euro, as notícias apontam para melhorias nas principais economias, das primeiras a divulgar números.

A economia da Alemanha cresce 0,1% no terceiro trimestre, segundo o gabinete alemão de estatísticas, o Destatis, face ao que aconteceu no segundo trimestre do ano.

O Produto Interno Bruto alemão (que corresponde a 28% do total da zona euro) até começou o ano a crescer de forma mais significativa, 0,8% no primeiro trimestre, mas no segundo trimestre caiu 0,1%.

Já no caso da França, a subida é maior no terceiro trimestre, mas a base também era mais pequena. A economia de França cresceu 0,3% no terceiro trimestre depois de um trimestre de estagnação e outro de contração (no segundo trimestre os dados foram revistos e passaram a contar com uma queda de 0,1% em vez de uma estagnação).

O contexto de fraco crescimento e baixa inflação já tinham levado o país a dizer que não iam conseguir cumprir a meta do défice (já revista em alta) para este ano e que para o próximo ano seria também mais complicado cumprir o acordado com Bruxelas. Depois de algumas negociações com a Comissão, a França acabou por apresentar mais cortes que o previsto na proposta de orçamento para o próximo ano, mas ainda não se conhece a avaliação final de Bruxelas.

Entretanto, o ministro das Finanças de França, Michel Sapin, comentou por escrito os números conhecidos hoje.

“A atividade [económica] recuperou ligeiramente mas continua demasiado fraca para assegurar a criação de emprego necessária” ao país, diz Michel Sapin, que garante que será prioridade do Governo francês promover o crescimento e o emprego em França, e na Europa.

Os números conhecidos hoje, diz o Governante, confirmam a previsão do Executivo francês para um crescimento de apenas 0,4% do PIB no total de 2014.

Esta é a primeira estimativa – a estimativa rápida – para os números do PIB do terceiro trimestre. Os valores ainda podem ser revistos.