Educação

Escolas de negócios portuguesas sobem no ranking do Financial Times

269

Nova SBE sobe oito posições e a Porto Business School trepa sete. Católica - Business mantêm-se em 25º lugar pelo segundo ano consecutivo.

Jornal Financial Times

Sean Gallup

As escolas de negócios portuguesas têm razões para celebrar. Pelo segundo ano consecutivo, a Católica Lisbon School of Business & Economics está em 25º lugar no ranking do Financial Times para as melhores escolas de negócios da Europa. A Nova School of Business & Economics (SBE) subiu oito posições face a 2013, chegando ao 28º lugar, e a Porto Business School subiu sete posições e ficou em 59º lugar.

José Ferreira Machado, diretor da Nova SBE, afirma ao Observador que a “grande performance” da sua faculdade deve-se às anteriores boas avaliações ao MBA e ao mestrado de Gestão. Alguns dos fatores que têm muito peso neste tipo de ranking “é o número de doutorados” e o “grande número de mulheres no corpo docente”, lembrou. Há quatro anos que a Nova SBE está cotada neste ranking. “Estamos a mover-nos em direção a um alvo que também se está a mover”, afirmou, quando questionado sobre o futuro da escola nesta lista, para explicar que continuar a subir não é fácil.

Ainda assim, José Ferreira Machado afirma que a presença nestes rankings “não é um objetivo, mas algo que traduz uma qualidade”. E considera “extraordinário” que três faculdades de Portugal estejam classificadas nesta lista do Financial Times.

mba (1)

Francisco Veloso, diretor da Católica-Business, também fez questão de referir a presença de três faculdades portuguesas como um dos pontos fortes que este ranking demonstra. Para o diretor da escola de negócios que está pelo segundo ano consecutivo no 25º lugar da classificação do Financial Times, este resultado deve-se “à excelência da escola e a um trabalho com grande consistência”. “Cerca de 40% dos professores da faculdade são estrangeiros, de países como a Turquia, Irão ou Finlândia”, destacou. Por isso, Francisco Veloso não é comedido nas metas que quer alcançar: “Nos próximos cinco a sete anos, a Católica-Business quer estar nos vinte melhores.”

Já mais no fundo da tabela do Financial Times aparece a Porto Business School, em 59º lugar. É o quarto ano em que aparece neste ranking.  Nuno de Sousa Pereira, diretor da Porto Business School, diz que a subida de sete posições face ao ano anterior deve-se a uma “melhoria na área da formação executiva” e que cada vez mais a língua portuguesa está a tornar-se “uma das línguas de negócios”, devido às economias emergentes de países como Angola, Moçambique e Brasil. Porém, admite que ambicionar as posições das outras escolas portuguesas é muito difícil, devido a estas terem “uma contribuição de erários muito superiores”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O regresso do «eduquês»: uma resposta

José Pacheco

É longo o cortejo de alarvidades debitadas na comunicação social por pessoas para quem as ciências da educação ainda são ciências ocultas. Arrogam-se o direito de dizer tolices sobre o que não entendem

Contratos de Associação

O fim de um princípio

Ana Rita Bessa
1.178

Diminui o número das escolas com contratos de associação, mas há mais alunos no ensino privado. O que sugere que tais colégios perderam a diversidade, tendo saído, sem escolha, os que não podiam pagar

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Exames Nacionais

Mensagem sem Pessoa 

Beatriz Gomes Artilheiro
304

Sim, o exame teve Pessoa, mais Saramago e Ricardo Reis. Mas não inclui Eça de Queiroz. Crónica de uma aluna enquanto estudava para o exame de hoje de Português do 12º ano. "Valete, fratres". 

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)