Rádio Observador

Pedro Proença

Vermelho à carreira? Sim, se apitar a final do Mundial de Clubes

Apitar a final do Mundial de Clubes, a 20 de dezembro. Se o conseguir, Pedro Proença, aos 44 anos, poderá dizer adeus à arbitragem. Porquê? Por "aspetos motivacionais e pessoais", admitiu.

Já apitou a final da Champions, de um Europeu (ambas em 2012) e esteve no último Mundial. Agora, e se chegar à final de outra prova, Proença poderá retirar-se

Shaun Botterill/Getty Images

Confusão. Das grandes. O rastilho veio de Pedro Proença. Aos 34 anos, o árbitro já pegou e soprou no apito em quase todo o lado: na final da Liga dos Campeões e na decisão de um Campeonato da Europa, ambos em 2012, e um Mundial, agora em 2014. Há dois anos, a Federação Internacional de História e Estatística do Futebol viu no português o melhor árbitro do mundo. Só coisas boas. Até ao início de novembro, em que o diretor financeiro de profissão deu uma entrevista que entornou o caldo — para cima do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Pedro Proença, na altura, falou de “um caos instalado” no CA, que dizia seguir à boleia de “um modelo esgotado” e de “um corpo dirigente absolutamente amador”. Disse mais: “A estratégia de comunicação interna, com os árbitros, e externa, com os media; toda a gestão do projeto do profissionalismo e o modelo que foi imposto; uma academia de arbitragem que não tem resultados; a destruição do modelo que existia quanto aos árbitros assistentes, faz com que dependam dos árbitros que convidam para a primeira categoria.” Vítor Pereira, antigo árbitro e presidente do CA, não gostou.

E proibiu Proença de dar mais entrevistas. Duas, pelo menos. Escreveu-se muito, especulou-se um pouco e, de repente, esta segunda-feira, o Conselho de Arbitragem dá novidades. A entidade chamara o árbitro, Vítor “ouviu as explicações” de Pedro sobre a entrevista e ambos trocaram “os respetivos pontos de vista”, lê-se num comunicado enviado pelo CA. E pronto, “considera-se o assunto encerrado”.

Até que, no mesmo dia, a FPF avisa que, esta terça-feira, haveria conferência de imprensa com o árbitro. Ainda por causa da entrevista? Não, antes pelo Mundial de Clubes, competição da FIFA que, entre 10 e 20 de dezembro, juntará em Marrocos os clubes campeões das seis associações continentais da entidade: América do Norte, Central e as Caraíbas, América do Sul, Europa, África, Ásia e Oceânia. Ou seja, vai dar ao mesmo se escrevermos que a prova reunirá o Cruz Azul (México), San Lorenzo (Argentina), Real Madrid (Espanha), ES Setif (Argélia), Western Sydney Wanderers (Austrália, sim, aqui faz parte da Ásia) e Auckland City (Nova Zelândia).

E praticamente não se fala de outra coisa na conferência de imprensa. Pedro Proença assim o garante. “Além do comunicado ontem emanado, não há mais nada a dizer”, sublinha, logo ao início, quando as perguntas o desafiam. Nem sobre isso nem sobre o suposto jogo de miúdos, dos sub-11, para o qual o árbitro supostamente se voluntariou a apitar, no sábado, após a FPF não o escalar para qualquer encontro das ligas profissionais no fim de semana que aí vem. “Expus os meus pontos de vista, fui ouvido [e] as situações ficaram esclarecidas”, concluiu.

Apenas se fala de Mundial de Clubes. E dentro desta conversa é que surgiu a novidade — a de Pedro Proença poder, aos 44 anos, retirar-se da arbitragem assim que termine a prova. Se apitar a final, a 20 de dezembro, é provável que tal aconteça. “A performance a que conseguirmos chegar nesta competição será fundamental para depois avaliar essa questão, assim que chegar de Marrocos e após conversar com Fernando Gomes. Aí anunciarei a minha decisão”, explicou o árbitro que, depois, confessou estar “muito desgastado” com “mais de 20 anos de arbitragem”.

Pedro Proença, que será o primeiro árbitro português a apitar no Mundial de Clubes da FIFA — é o único oficial europeu na prova –, frisou que o país “deve estar muito orgulhoso com a confiança que a FIFA depositou” na sua equipa. Depois, e embora sem os especificar, falou em “aspetos motivacionais” e “pessoais” para justificar o facto de estar abandonar dizer adeus à arbitragem. “Mas a verdade é que já são mais de 20 anos de arbitragem, esta atividade tem um desgaste muito grande, e se calhar, quando chegamos a um determinada patamar, queremos outros desafios”, defendeu.

O oficial disse ainda que “talvez pudesse ter sido feito mais” para que, no verão, tivesse sido ele o escolhido, ao invés do italiano Nicola Rizzoli, para apitar a final do Mundial, no Brasil. Proença, contudo, garantiu que, ao longo da competição, o “feedback” que recebeu “ao longo da competição foi sempre muito positivo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)