Com as temperaturas a descer e os termómetros a chegarem mesmo aos zero graus em algumas zonas do país, os portugueses vão continuar a tiritar de frio, segundo as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Ao contrário do que os mais pessimistas possam pensar, é possível enfrentar o que aí vem com um sorriso na cara – desde que use cachecol e tenha em conta as recomendações das autoridades.

Antes da chegada do frio

  • Atenção aos aquecimentos que tem em casa: verifique se estes estão em condições de ser utilizados e, no caso de lareiras e braseiras, tenha redobrado cuidado, pois os gases e fumos são tóxicos e podem levar à morte.
  • Proteja as portas e janelas da casa de forma a que o calor acumulado não saia e o frio não entre. Uma boa maneira de controlar a temperatura dentro de casa é comprar um termómetro e colocá-lo num sítio visível.
  • Outra compra que deve fazer é de mantimentos, para não ser obrigado a ir à rua caso o frio seja extremo.

Quando o frio chega

  • É importante manter uma temperatura constante dentro de casa, preferencialmente entre os 18º C e os 21ºC.
  • Na verdade, é natural que não consiga ter todas as divisões da casa aquecidas ao mesmo tempo, pelo que, a ter de escolher, deve focar-se naquelas onde passa mais tempo, como a cozinha e a sala de estar. O quarto é um caso especial: um tempo antes de se ir deitar, comece a aquecê-lo.
  • Mas atenção: evite dormir com aquecimentos ligados perto de si, especialmente se eles forem de combustão (braseiros e lareiras, por exemplo).
  • Cuidado também com os sacos de água quente, tentando prevenir que vertam ou rebentem.
  • A hidratação é fundamental: não se esqueça de hidratar frequentemente as mãos, a cara, os pés e os lábios.
  • Em vez de uma única peça de roupa muito grossa é preferível usar várias camadas de roupa mais fina. Isto para não prejudicar a circulação sanguínea, importante para manter a temperatura corporal.
  • Evite fazer exercício físico ao ar livre caso o esforço seja considerável e, se o fizer, não se esqueça do aquecimento, imprescindível para evitar lesões.
  • Beba muita água.

Cuidados redobrados para pessoas vulneráveis

As crianças e os idosos são grupos de pessoas especialmente vulneráveis às condições de tempo extremo, especialmente o frio, por não terem tanta sensibilidade à temperatura. Também as pessoas com doenças crónicas e com mobilidade reduzida são vulneráveis. Há, por isso, recomendações específicas para estas.

Quando o frio é intenso, sair de casa com um bebé ou recém-nascido está fora de questão.

  • Se, no entanto, for absolutamente indispensável sair com a criança, esta deve ir bem agasalhada, especialmente na cabeça, nas mãos e nos pés. Tal como para os adultos, é válido o conselho de utilizar várias camadas de roupa em vez de uma só.
  • Para os idosos, as recomendações são especialmente para as pessoas que lhes são mais próximas, que devem alertá-los para a importância de se alimentarem e hidratarem regularmente, bem como terem em conta as restantes recomendações acima descritas.
  • É importante que os cuidadores de idosos (familiares próximos, amigos, vizinhos) não os deixem sós ou isolados – nem que seja através de telefonemas regulares.

Estas e outras recomendações para lidar com o frio podem ser consultadas no site da Direção-Geral da Saúde, da Autoridade Nacional de Proteção Civil e da Fundação Portuguesa do Pulmão, por exemplo.