De acordo o Jornal de Negócios, os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP estiveram reunidos durante a noite e aprovaram a impugnação da requisição civil que trava a greve de quatro dias agendada para o final do ano.

Os sindicatos pretendem avançar com a impugnação o quanto antes. Não é claro que todos os sindicatos subscrevam o pedido, escreve o jornal.

Na terça-feira, os pilotos da TAP anunciaram que não vão cumprir a requisição civil anunciada pelo Governo. Num comunicado, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil afirma que a decisão que prevalece é a do Tribunal Arbitral, ou seja, do cumprimento de serviços mínimos. O sindicato diz mesmo que tanto o Governo como a companhia aérea “estão obrigados a cumprir as decisões dos tribunais”, pelo que radicalizam o discurso e mostram-se intransigentes.

Para os pilotos, as normas do Código do Trabalho “prevalecem sobre qualquer outra legislação vigente sobre esta matéria”, incluindo-se aqui a requisição civil decretada pelo Governo com base num decreto-lei de 1974, que está em vigor.

O Observador está a tentar confirmar a notícia avançada pelo Jornal de Negócios.