“Levar dois, três, cinco ou dez mil euros num envelope é uma coisa muito fininha”, afirmou Ricardo Candeias, advogado de João Perna, o ex-motorista de José Sócrates, em entrevista ao jornal i, neste sábado.

O advogado de João Perna admitiu durante a entrevista que a rescisão do contrato de trabalho do antigo motorista de José Sócrates teve o objetivo de se demarcar da estratégia de defesa do ex-primeiro-ministro. João Perna viu a sua medida de coação modificada de prisão preventiva para pulseira eletrónica.

Quando questionado se quando o seu cliente fazia esses recados, nunca se terá apercebido de que transportava dinheiro, em malas ou envelopes, Ricardo Candeias respondeu: “Falando em abstrato, levar dois, três, cinco ou dez mil euros num envelope é uma coisa muito fininha, se for em notas de 500 euros, as pessoas é que não têm noção disso. Portanto é possível confundir isso com papel… É possível que se transporte uma coisa a pensar que é outra.”

Em mais de uma ocasião, Ricardo Candeias recusou-se a responder às perguntas do jornal i. Como já tinha sido noticiado antes, o advogado de João Perna confirmou que “houve saídas para fora de Portugal, mas algumas podem ter que ver com questões não relacionadas com este processo.”