O responsável pela arbitragem da UEFA, Pierluigi Collina, considerou esta quinta-feira “um erro” a grande penalidade assinalada no jogo Schlake04-Sporting, do grupo G liga dos Campeões, mas lembrou que as falhas vão sempre existir.

“Foi um erro. Infelizmente a bola não bateu na mão do jogador, mas sim na cara”, afirmou Collina, referindo-se ao lance polémico que acabou por ditar a derrota do Sporting, por 4-3, já em tempo de descontos.

Pierluigi Colina, que falava no congresso Football Talks, que termina hoje no Estoril, disse ter a certeza de que “todos os que têm experiência no campo sabem que o erro pode acontecer” e garantiu que a UEFA está a trabalhar “para melhorar a qualidade da arbitragem”.

Aos 93 minutos do jogo da 3.ª jornada do grupo G da ‘Champions’, disputado a 21 de outubro de 2014, o árbitro russo Sergei Karasev, por indicação do árbitro de baliza, assinalou uma grande penalidade contra o Sporting, considerando que a bola terá batido na mão do defesa argentino Jonathan Silva.

As imagens televisivas mostram que no lance do penalti, convertido depois pelo camaronês Eric Chpupo-Moting, a bola bate na cara do defesa argentino e não na mão, como terá entendido a equipa de arbitragem.

Na sua intervenção no congresso Football Talks, Collina disse não ter certezas sobre se o recurso a imagens de vídeo pode ser uma solução para evitar erros na arbitragem.

“Não sei se o vídeo será uma solução. Muitas vezes se virmos as imagens em câmara lenta a nossa opinião sobre o lance pode ser condicionada”, considerou, dando como exemplo um lance no qual a mão na bola pode não ser intencional, mas vista a baixa velocidade pode parecer.

Collina garantiu que o “objetivo da UEFA é aumentar o grau de exatidão das decisões tomadas dentro das quatro linhas”, e elencou algumas das medidas tomadas nos últimos anos, como a tecnologia da linha de golo e os árbitros de baliza.

O responsável da UEFA considerou essencial a cooperação entre todos os elementos da equipa de arbitragem e destacou o papel dissuasor dos árbitros de baliza.

“A cooperação entre árbitros é essencial e importante. Muitas das faltas dentro da grande área sofreram uma redução significativa. Os árbitros de baliza acabam por ter um efeito dissuasor porque os jogadores sabem que estão a ser observados”, referiu.

O antigo árbitro italiano destacou ainda o sistema de formação ‘online’ que a UEFA disponibiliza aos árbitros e a plataforma de comunicação, na qual são analisados alguns jogos pouco tempo depois de estes se realizarem.

O ‘Football Talks’, evento promovido pela Federação Portuguesa de Futebol, junta entre terça-feira e hoje, no Centro de Congressos do Estoril, várias figuras do futebol mundial.