“Deu-se um milagre.” Foi assim que José Carlos Saldanha começou a sua intervenção no telejornal da TVI desta quinta-feira. O doente com hepatite C, que na quarta-feira pediu ao ministro da Saúde Paulo Macedo que não o deixasse morrer, vai receber o medicamento inovador da farmacêutica Gilead gratuitamente.

Neste momento, tenho oficialmente a notícia de que o tratamento foi disponibilizado pelo Infarmed“, disse, acrescentando que a emoção que sentia era “enorme”.

José Carlos Saldanha dirigiu-se a Paulo Macedo na quarta-feira, gritando “Não me deixe morrer, eu quero viver”, durante uma audição da Comissão Parlamentar da Saúde, acompanhado pelos filhos de duas doentes com hepatite C, uma delas falecida recentemente. O doente já se tinha oferecido para pagar metade do tratamento, mas não tinha recebido resposta do Ministério.

Esta quinta-feira, José Carlos Saldanha revelou que já tinha recebido a informação de que iria receber o tratamento gratuitamente. “Estou muito grato, mas continuo com um sentimento estranho que tem a ver com aqueles que já não estão cá para partilhar”, disse na intervenção que fez, por telefone, no telejornal da TVI.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os hospitais portugueses começaram a pedir os 100 tratamentos gratuitos para a hepatite C na quarta-feira, oferecidos pela farmacêutica Gilead. O presidente do Infarmed disse, em entrevista no telejornal da RTP, que as farmacêuticas “têm nas mãos a vida dos doentes” e que o Infarmed tinha definido “critérios muito rigorosos” para “garantir que todos os doentes tivessem acesso por igual, justo e equitativo” aos tratamentos.

Emocionado, José Carlos Saldanha disse que não vai desistir da luta. “Vou continuar a lutar por aqueles que não têm [tratamento], porque tratar é um dever”, disse.