PS

António Costa: “Queremos dar uma mensagem de confiança aos investidores estrangeiros. Para diminuir a confiança, já chega o Governo”

494

Costa justificou declaração polémica perante investidores estrangeiros, dizendo que a estes é preciso passar "mensagem de confiança".

Costa voltou a falar das recentes declarações feitas na abertura do Ano Novo Chinês

AFP/Getty Images

Autor
  • Helena Pereira

“Queremos dar uma mensagem de confiança aos investidores estrangeiros. Para diminuir a confiança, já chega o Governo. Não precisa da ajuda da oposição”. Foi assim que António Costa justificou esta quinta-feira o discurso que fez por ocasião do Novo Ano Chinês, no Casino da Póvoa de Varzim e que motivou polémica e a desfiliação de um dos fundadores do PS, Alfredo Barroso. “Fico perplexo que pensem que a oposição ao governo me impede de defender o país”, acrescentou.

Segundo Costa, que falou esta quinta-feira na sede do PS a propósito de um novo projeto digital do jornal oficial do partido, “bem podem pôr as palavras num outro contexto”, mas os portugueses conhecem “o aumento brutal do desemprego, da pobreza e os cortes dos salários”, nos últimos quatro anos.

“Nenhum português tem dúvidas do que eu penso sobre o atual Governo e a necessidade de mudar de Governo”, afirmou Costa, que, na Póvoa do Varzim, admitira que o país estava melhor do que em 2011. O líder do PS lembrou as conclusões da Comissão Europeia, divulgadas esta quinta-feira, que indicam que os cortes motivados pela austeridade em Portugal atingiram os mais pobres: “Portugal mantém desequilíbrios excessivos, que determinam vigilância reforçada”, “cortes nos apoios sociais afetaram desproporcionalmente os mais pobres”, “Portugal foi o país que sofreu maior aumento da pobreza, mais 210.000 pessoas entre 2012 e 2013”.

Na Póvoa do Varzim, Costa declarara que, “em Portugal, os amigos são para as ocasiões, e numa ocasião difícil em que muitos não acreditaram que o país tinha condições para enfrentar e vencer a crise, a verdade é que os investidores chineses disseram ‘presente’, vieram, e deram um grande contributo para que Portugal pudesse estar na situação em que está hoje, bastante diferente daquela em que estava há quatro anos”.

Na plateia estavam vários membros da comunidade chinesa em Portugal, mas também os deputados do PS Vitalino Canas e José Magalhães, o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, e o diretor do JN, Afonso Camões.

O fundador do PS, Alfredo Barroso, não gostou e anunciou no Facebook que ia enviar uma carta a pedir a desfiliação do partido, devido à intervenção “vergonhosa” de António Costa.

“Sou um dos fundadores do PS (em 1973) e sou, hoje, o militante número 15 do partido (com as quotas em dia). Mas já chega! Nunca me passou pela cabeça que um secretário-geral do PS se atrevesse a prestar vassalagem à ditadura comunista e neoliberal da República Popular da China, e se atrevesse a declarar, sem o menor respeito por centenas de milhares de desempregados e cerca de dois milhões de portugueses no limiar da pobreza, que Portugal está hoje melhor do que há quatro anos. A declaração de António Costa é uma vergonha!”, escreveu numa nota, intitulada “Depois da ignóbil ‘chinesice’ de Costa, demito-me do PS, e é já!”.

Fonte da direção do PS disse, durante a noite, à agência Lusa que a intervenção de António Costa perante a comunidade chinesa foi “caraterizada pelo sentido de Estado”. “Perante o exterior, António Costa recusa-se a falar mal do país, mesmo que não goste deste Governo. PSD e CDS estão a tentar um ‘fait-divers’ com esse assunto”, justificou ainda a mesma fonte da direção dos socialistas. E esta quinta-feira de manhã, Costa fez uma declaração também à Lusa anunciando que quer esclarecer pessoalmente com Barroso o contexto das suas declarações.

“Tenho muita estima e consideração por Alfredo Barroso, respeito qualquer que seja a sua decisão. Lamento-a”, disse. Também Ferro Rodrigues, líder parlamentar, comentou o caso. “Lamento a desfiliação de Alfredo Barroso, lamento os termos em que ela se processou”, declarou à entrada para a reunião semanal da bancada socialista.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
1.407

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)