Urinar nas ruas. O gesto acontece com alguma regularidade em ruas repletas de bares e discotecas. No bairro de St. Pauli, em Hamburgo (Alemanha), acontece mais vezes do que devia e, por isso, um grupo de locais decidiu agir contra o ato.

No bairro de St Pauli está a Red Light District e por lá passam cerca de 20 milhões de pessoas por ano. Há muitos bares de strip, clubes e discotecas. Cá fora, as paredes dos edifícios servem de casa de banho para muitos noctívagos. “Urinam onde lhes apetece, danificando o aspeto da cidade”, explica um dos habitantes. As ruas estão “encardidas”, denuncia o Guardian. A proibição de urinar nas ruas existe, mas não surte efeito.

“As proibições não adiantam absolutamente nada”, diz um membro dos IG St Pauli — um grupo de locais que se cansou de esperar pela atuação das autoridades. Os habitantes de St Pauli decidiram, então, cobrir as paredes com uma tinta que repele a urina. Ou seja, quando alguém urina para aquela parede, a parede projeta a urina de volta.

A tinta chama-se Ultra-Ever Dry e cria uma barreira que rejeita “água, azeite e muitos mais líquidos”. O efeito dura cerca de um ano, mas o preço não é o mais acessível. Julia Staron, uma das envolvidas no grupo, diz à agência Reuters que “pintar seis metros quadrados custa 500 euros”. No entanto, o esforço compensa: “se comparares o trabalho diário envolvido para limpar a sujidade e resolver o cheiro nauseabundo, tal como os danos no património, vale definitivamente a pena”, acrescenta Julia à agência Reuters, avança o Huffington Post. O grupo fez um vídeo que já conta com mais de 200 mil visualizações no Youtube. O slogan é: “Não urinem aqui. Nós urinamos de volta”.