Eduardo Ferro Rodrigues disse esta quinta-feira compreender a carta que José Sócrates escreveu da prisão acusando Passos Coelho de “miséria moral”. No final da reunião do grupo parlamentar, na Assembleia da República, o líder parlamentar afirmou aos jornalistas que se trata de “uma carta de alguém que vive uma situação muito difícil e que ficou muito indignado por alguém ter violado um direito constitucional que tem que é o de presunção de inocência”.

Na reunião do grupo parlamentar, Ferro não comentou diretamente os casos que envolvem Passos sobre dívidas prescritas à Segurança Social ou ao Fisco, dizendo apenas que os socialistas devem concentrar-se nas suas propostas e não naquilo que é acessório.

Sobre as dívidas já pagas à Segurança Social, o PS tomou posição e exigiu mais esclarecimentos de Passos, enviando um conjunto de nove questões ao primeiro-ministro. Já sobre os alegados cinco casos de execução fiscal já encerrados, o PS considerou, na quarta-feira à noite, pela boca de João Galamba que se tratou de um “deslize” que já foi encerrado e que por isso é um não-assunto.