País

Polícias e militares: quanto vão descontar os cônjuges para ter acesso à SAD e à ADM

Afinal, são os salários auferidos pelos polícias e pelos militares que vão servir de base ao cálculo dos descontos dos cônjuges que queiram continuar ou passar a beneficiar dos subsistemas SAD e ADM.

Até 2005, os cônjuges não pagavam pelo SAD e pela ADM. Desde então só os militares conseguiram uma exceção

Paulo Cunha/LUSA

Autor
  • Marlene Carriço
Mais sobre

Dentro em breve, os cônjuges dos polícias e militares vão poder voltar a beneficiar dos subsistemas de saúde SAD e ADM, mediante uma contribuição mensal. Acontece que o desconto não irá incidir sobre o salário de quem aderir, mas sim sobre a remuneração base auferida pelo respetivo cônjuge – polícia ou militar.

Na prática será assim: 3,5% de 79% do salário base (sem suplementos) do polícia ou do militar, ou da pensão de viuvez/sobrevivência, quando sejam sobrevivos do casal. O Ministério da Administração Interna (MAI) refere que “o desconto corresponde a uma taxa efetiva de 2,2%” e portanto será menos do que o ativo desconta para usufruir destes benefícios (3,5% sobre a totalidade do salário base).

Feitas as contas, levando em consideração a atual remuneração base destes profissionais, a mulher ou o marido de um agente da polícia de segurança pública (PSP) ou de um guarda (GNR) no início de carreira vai pagar cerca de 21 euros por mês. Ou melhor, esse montante será deduzido ao salário do ativo da PSP ou da GNR no final de cada mês.

Já no caso do cônjuge de um agente principal da PSP, que pode ter 15 anos de serviço, ou de um cabo da GNR, o desconto rondará os 31 euros. A adesão do cônjuge de um cabo-adjunto das Forças Armadas, que aufere 837,60 na primeira categoria, vai custar 23 euros por mês. Mas os descontos podem ser mais altos, como pode verificar nos exemplos que constam da tabela abaixo.

 descontos-conjuges

A inscrição nestes subsistemas será voluntária e possível a cônjuges ou unidos de facto, dos beneficiários titulares dos referidos subsistemas, que não possuam vínculo de emprego público e que não sejam beneficiários titulares ou familiares deste ou de outro subsistema público de assistência na doença, nem tenham anteriormente renunciado à qualidade de beneficiário titular de outro subsistema público de assistência na doença.

As novas regras de inscrição no SAD e da ADM já foram aprovadas em Conselho de Ministros, mas só entrarão em vigor no primeiro dia útil do mês seguinte ao da aceitação da inscrição que por sua vez só poderá ser feita depois de o diploma ser publicado em Diário da República.

Polícias e militares não concordam com pagamento dos cônjuges

Paulo Rodrigues, presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP), disse ao Observador estar de acordo com a inclusão dos cônjuges no SAD”, mas não com o pagamento exigido. “Temos a certeza que o SAD deu lucro em 2014. Não é justo que, sobrando dinheiro, se diga logo à partida que os cônjuges terão de pagar“, argumentou Paulo Rodrigues, que acredita que não haverá, nestas condições, muita gente a aderir.

“O cônjuge que receber o ordenado mínimo ou perto não vai aderir”. Além disso “este subsistema só funciona razoavelmente bem em Lisboa e no Porto. Nos Açores, em Bragança, em Beja e Portalegre, por exemplo, os beneficiários não têm quase regalias” porque a rede de convencionados é fraca, explicou. Por esta conjugação de fatores, Paulo Rodrigues acredita que os cônjuges a aderir ao SAD “não ultrapassem os 5.000”.

Um número bastante aquém daquele que fonte oficial do MAI disse ao Observador ser “o limite máximo de potenciais novos beneficiários dos SAD”: cerca de 28,5 mil pessoas por força de segurança.

Também a Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA), numa nota recente conjunta com a Associação Nacional de Sargentos e a Associação de Praças, diz que “as condições leoninas, em termos de descontos aos militares, que são impostas, embora com o direito de opção, mais parecem visar o afastamento da ADM de um universo que atinge mais de 12 mil cônjuges”.

As associações profissionais militares defendem aliás o regresso do quadro legal que vigorava até 2005 em que “nem os militares, nem os seus familiares, incluindo os cônjuges, tinham que descontar fosse o que fosse para beneficiarem da ADM”.

Até 2005, os cônjuges dos polícias e militares tinham, tal como na ADSE, direito a beneficiar destes subsistemas de saúde, sem qualquer contribuição. A lei mudou nesse ano e os cônjuges só puderam continuar a beneficiar dos subsistemas em duas situações: se à data da mudança de regras tivessem uma doença crónica já identificada ou se estiverem há dois anos consecutivos sem trabalho.

A PSP e a GNR acataram e portanto os cônjuges perderam os direitos que tinham até então, militares conseguiram criar uma exceção, com os chamados “protocolados” – basicamente os cônjuges que não se encontravam em nenhuma das anteriores duas situações e que trabalhavam na iniciativa privada continuaram a usufruir destes cuidados de saúde.

Em 2012, um relatório de Inspeção-Geral da Defesa Nacional referiu que os tais “protocolados” estavam a beneficiar indevidamente do subsistema de saúde desde 2005, daí resultando encargos anuais na ordem dos quatro milhões de euros. Na altura falou-se nos tais 12 mil cônjuges.

Este protocolo acabou por ser denunciado e desde janeiro de 2013 que se deixaram de aceitar novas inscrições de cônjuges de militares na ADM. Só os antigos mantiveram o benefício que agora perderão se não aceitarem pagar por ele.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)