Cinco dias, cinco filmes. É com a 3.ª edição do Ciclo Cinema no Feminino que o Goethe-Institut Lisboa assinala o Dia Internacional da Mulher, entre 10 e 14 de março. A entrada é gratuita.

“Refletir sobre as experiências e motivações de mulheres no papel de vítima, mas também enquanto autoras de formas de violência e como se fala sobre estas experiências” foi o que motivou a seleção das cinco obras do cinema alemão dos realizadores Rainer Werner Fassbinder, Volker Schlöndorff e Helke Sander, e de dois cineastas mais jovens, Aelrun Goette e David Wnendt.

Numa altura em que as “As Cinquenta Sombras de Grey” puseram meio mundo a discutir o sadomasoquismo, o ciclo começa na terça-feira, 10 de março, com “Martha”, filme realizado por Rainer Werner Fassbinder em 1974 que retrata o desenrolar de uma relação sadomasoquista entre Martha e Helmut Salomon e que mostra a opressão e a violência doméstica numa família burguesa.

https://www.youtube.com/watch?v=8z0tVsI-63g

Após o filme haverá uma conversa sobre violência doméstica conduzida por Kaya de Wolff, doutoranda pelo Instituto de Ciências de Media da Universidade alemã de Tübingen e curadora independente, com Dörte Steingräber Gradíssimo, terapeuta familiar, Mestre em Sociologia da Família e Sociedade, responsável pela abertura da primeira casa de abrigo para mulheres vítimas de violência em Portugal.

No dia seguinte, quarta-feira, exibe-se “Die Stille nach dem Schuss” (“O Silêncio após o Tiro”), de Volker Schlöndorff, um filme do ano 2000 cuja ação se inicia na década de 1970 e traça o percurso da protagonista Rita Vogt desde o terrorismo da RAF (Fração do Exército Vermelho) e da fuga para a Alemanha de Leste. O filme descreve a vida dos ex-terroristas que viveram exilados na República Democrática Alemã e como estes foram desmascarados ainda antes da reunificação da Alemanha em 1990.

Constantin Film "Baader Meinhof Komplex"

“O Silêncio após o Tiro” passa às 19h30 de quarta-feira

Na quinta-feira vai ser possível assistir ao documentário “Die Kinder sind tot” (“As Crianças Estão Mortas”), realizado em 2003 por Aelrun Goette, é uma história verídica sobre uma jovem mãe que no verão de 1999 abandonou os dois filhos menores durante 14 dias num apartamento, e que acabaram por morrer à sede.

No dia seguinte passa “Kriegerin” (“Guerreira”) filme de ficção de 2012 de David Wnendt sobre Marisa, uma jovem neonazi de 20 anos que vive numa pequena cidade rural do Leste da Alemanha, num ambiente dominado por ódio e violência.

Todos os filmes são legendados em português e exibidos às 19h30, com exceção de “BeFreier und Befreite” (“Libertadores e Libertadas”), o filme escolhido para encerrar o 3.º Ciclo Cinema no Feminino, no sábado. A primeira parte deste documentário de Helke Sander pode ser vista às 15h30 e a segunda às 17h30. As violações em massa na Alemanha durante os últimos dias de guerra e nas primeiras semanas do pós-guerra de 1945 são o tema central tratado pela realizadora em 1992, um capítulo difícil da história alemã e que foi ocultado durante muito tempo. Helke Sander entrevista pela primeira vez mulheres que foram vítimas, antigos membros do Exército Vermelho e as crianças nascidas destas violações.