O coordenador político do partido Syriza na região de Atenas e assessor do primeiro-ministro da Grécia afirmou esta sexta-feira que o Governo de Portugal age contra o seu próprio povo quando rejeita as propostas do governo grego na Europa.

“O povo de Portugal, o povo espanhol e os povos do sul da Europa em geral estão do lado do governo grego e os governos de Portugal e de Espanha estão contra o povo grego e contra os povos de Portugal e de Espanha. Porque a política que aplicam é contra os interesses do povo português, espanhol e, em geral, contra o sul da Europa”, disse Stavros Karagkounis à agência Lusa, à margem de uma ação de campanha da Izquierda Unida (comunistas) em Córdoba, na região espanhola da Andaluzia, que realiza no domingo eleições regionais.

Karagkounis, antigo eurodeputado que coordena politicamente o partido de Alexis Tsipras na mais importante região da Grécia, a região da Ática, que engloba a capital grega, sublinhou que o Syriza está interessado “numa aliança do sul da Europa contra a lógica neoliberal da senhora Merkel, do senhor Schauble e dos seus aliados”, em Espanha e em Portugal.

“O êxito do Syriza significa o êxito dos povos de Itália, de Espanha e de Portugal, isso é o que dizemos. No final são os povos que decidem, mas o que dizemos é que se o Sul consegue uma aliança com o mesmo programa político, com a mesma estratégia e uma aliança que tenha na cabeça que deve trabalhar pelo bem do povo e não dos bancos, neste caso então não só o Sul, mas também toda a Europa tem futuro”, afirmou Stavros Karagkounis.

Por outro lado, reforçou o dirigente do Syriza, se os governos europeus seguirem “com a política da senhora Merkel e do senhor Schauble em poucos meses vamos assistir ao final da União Europeia como a conhecemos”.

Sobre as eleições na Andaluzia, as primeiras autonómicas em Espanha este ano (e que podem significar o fim do bipartidarismo espanhol), Stavros Karagkounis disse que o Syriza “acredita que este é um momento histórico para o sul da Europa e para a Europa em geral”.

“É uma mudança histórica no sul que pode influenciar toda a Europa. Com todas as batalhas que temos este ano, se o povo do Sul, os portugueses e os espanhóis – dentro de pouco meses – decidirem por partidos de esquerda, dão aos seus povos uma oportunidade de ter um futuro melhor”, afirmou.

Para Karagkounis, “não há futuro com políticas neoliberais”.

Pouco antes, Stavros Karagkounis tinha dado o seu apoio público ao candidato da Izquierda Unida na Andaluzia, Antonio Maíllo, o que levantou questões entre a imprensa que assistia ao ato, já que o Syriza tem tido no Podemos o seu aliado mais mediático em Espanha.

Stavros Karagkounis posou ao lado do símbolo da IU, afirmou que “uma imagem vale mais do que mil palavras”, e mais tarde, à Lusa, desvalorizou.

“O Syriza é uma aliança muito grande, com aliados pequenos, grandes. Da esquerda, da esquerda radical, do socialismo. Mas há limites [não é uma aliança com qualquer um]. A ideia do Syriza pode aplicar-se em cada país como queiram os partidos políticos desse país, mas há uma ideia comum, de aliança. Alianças semelhantes podem governar Portugal, Espanha e, no final, podem governar toda a Europa”, realçou.

Cerca de seis milhões de eleitores vão a votos no domingo para escolherem os 109 deputados do parlamento andaluz e o presidente da Junta da Andaluzia, naquela que é a primeira eleição do ano político em Espanha.