O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou hoje em Lisboa à comunidade guineense em Portugal para que considere regressar ao país e ajudar na sua reconstrução.

“Eu vim cá precisamente para apelar-vos: comecem a pensar no vosso regresso. Os riscos que vocês assumem aqui em Portugal, devem aceitar corrê-los na vossa terra natal”, declarou, num encontro com a diáspora guineense no Fórum Lisboa.

Depois de sublinhar que conhece bem os problemas dos emigrantes em Portugal, o chefe de Estado guineense acrescentou: “Não estou aqui para vos dar uma lição, estou aqui para ouvir conselhos e para vos dizer como vai a terra que vos viu nascer”. “A Guiné-Bissau é um país de oportunidades, porque nada está feito, está tudo por fazer – e 1,1 milhões de dólares é muito dinheiro”, observou José Mário Vaz, referindo-se à ajuda financeira da comunidade internacional que fez questão de agradecer.

“Muito obrigado à comunidade internacional, que nunca virou costas à Guiné-Bissau, apesar de nós não termos sido muito corretos no seu uso: dinheiro dado para comprar copos foi gasto a comprar viaturas…”, exemplificou, desencadeando o aplauso no auditório quase cheio. Salientando que “agora, a bola está do lado da Guiné-Bissau”, o Presidente classificou a atual situação do país como “uma oportunidade para os guineenses que estão em Portugal”.

“Temos uma grande responsabilidade, meus concidadãos, e cada um tem de fazer o que sabe fazer: temos bons pedreiros, bons carpinteiros, bons eletricistas, bons empresários… Não pensem em ir para a Guiné-Bissau para serem ministros, secretários de Estado, funcionários públicos”, advertiu.

“Devem regressar para concorrer com os demais para a concretização de projetos” que contribuam para “a construção do país”, porque, acrescentou, se os guineenses não aproveitarem os recursos financeiros disponibilizados pela comunidade internacional “outros estão à espera”.

José Mário Vaz explicou que “hoje, na Guiné-Bissau, o Estado é o maior empregador e não pode ser”. “O Estado não pode ser tudo, porque senão enfrenta problemas sérios; o Estado não pode criar riqueza e não pode criar emprego, isso cabe ao setor privado, e temos de ter a coragem de fazer essa reforma”, defendeu.

Instando mais uma vez os seus concidadãos a regressar, neste seu primeiro encontro com a diáspora desde que foi eleito, em junho de 2014, o Presidente guineense fê-lo na forma de pedido.

“Eu vou pedir: temos de limpar essa mágoa, esse ódio que está no interior dos guineenses; devemos esquecer o passado e olhar para o futuro, para a construção do país”, insistiu, recordando ser sua ambição “contribuir para a mudança radical da Guiné-Bissau”, porque acredita que “o Presidente da República tem de ser o homem que está sempre à procura de consensos”.