Mesmo após a morte, novas acusações de pedofilia voltam a cair sobre o lendário cantor norte-americano Michael Jackson. As duas denúncias que entraram nos tribunais de Los Angeles, nos Estados Unidos, acusam o cantor de ter pago 18 milhões de euros para silenciar vinte das suas vítimas de pedofilia. As denúncias indicam também que Michael Jackson terá “casado” com uma delas, escreve o jornal inglês Independent.

Wade Robson e James Safechuck vão ficar a saber esta quarta-feira se podem avançar com uma ação legal contra o cantor, que depende da decisão do Tribunal Superior de Los Angeles. Michael Jackson terá abusado sexualmente de Robson e Safechuck nos finais dos anos 1980, quando ainda eram menores. Jackson terá também organizado um “casamento” secreto com um rapaz de nove anos como sua “noiva”, segundo as acusações.

Nesta terça-feira, o juiz Mitchell Beckloff do tribunal de Los Angeles marcou uma audição com ambos para determinar se as acusações podem ou não dar origem a um processo judicial. Em caso afirmativo, este será o primeiro processo-crime contra Michael Jackson desde a sua morte a 25 de junho de 2009. Se o processo avançar, as vítimas poderão ter acesso a uma porção do valor que o artista possui em imobiliário e que ascende a 1,4 mil milhões de euros.

Jackson conheceu James Safechuck após terem filmado juntos um anúncio da Pepsi em 1988. Wade Robson, que trabalha agora como coreografo para artistas como Britney Spears ou Justin Timberlake, terá sido abusado por Jackson no seu rancho “Neverland” (“Terra do Nunca”) entre os seus sete e catorze anos, revela o Independent.

Tanto Robson como Safechuck já ultrapassaram os prazos válidos para apresentarem acusações contra o cantor, que terminaram em 2013 e 2014. Durante o julgamento de Michael Jackson em 2005, Robson disse que o artista não o tinha abusado sexualmente. Contudo, o nascimento do seu filho em 2013 terá levado Wade Robson a decidir contar a “verdade”.

Robson revelou que tinha sido “manipulado” e vítima de uma “lavagem cerebral” por parte do cantor em 2005, razão pela qual teria mentido. “[O Michael] ligava-me todos os dias ” e depois “encenávamos e treinávamos para estes cenários” através do telefone, contou segundo o Independent. Robson e Safechuck têm como trunfo para incriminar Michael Jackson o dinheiro que supostamente receberam para comprar o seu silêncio e que servirá como prova na deliberação do juiz Mitchell Backloff.