A proposta mais alta para a compra do Novo Banco terá sido entregue pelo grupo chinês Anbang, avança o Diário Económico desta sexta-feira. A oferta, ligeiramente acima dos quatro mil milhões de euros, terá sido seguida de perto por outro candidato chinês, a Fosun.

Na quinta-feira, já o Expresso Diário tinha avançado com a informação de que dois grupos chineses teriam apresentado ofertas indicativas para o Novo Banco. A Fosun, dona da Fidelidade, já havia confirmado o seu interesse, enquanto a Anbang era apontada como concorrente.

Segundo o Expresso, a oferta chinesa mais elevada ultrapassa os quatro mil milhões de euros, mas ainda assim, fica abaixo do investimento de 4900 milhões de euros feito no capital do Novo Banco, pelo que representará sempre um prejuízo para o Fundo de Resolução que terá ser suportado pelo sistema bancário.

O Expresso Diário sublinha que as ofertas, ainda não vinculativas, têm várias condições e desenhos, pelo que não são diretamente comparáveis. Alguns concorrentes, por exemplo, defendem um aumento de capital no banco. Terá sido esta limitação que levou o jornal a avançar ontem com a indicação de que o Santander ofereceu menos de dois mil milhões de euros, número que o banco espanhol desmentiu.

O Expresso diz agora que a oferta do grupo espanhol está entre os 2,5 mil milhões e três mil milhões de euros, mas sublinha que o Santander aposta forte na circunstância de ser o único banco na corrida, com uma marca forte, depois da exclusão, ainda preliminar, do BPI que terá proposto pouco mais de dois mil milhões de euros. Os outros concorrentes são conglomerados mistos (empresas que integram vários negócios) e fundos de investimento como os americanos Apollo e Cerberus.

A informação sobre o processo de venda do Novo Banco está sujeita a um acordo de confidencialidade, que tem servido de argumento ao Banco de Portugal e a potenciais concorrentes para recusar confirmar ou adiantar informações. No entanto, isso não tem impedido a saída pontual de notícias sobre as ofertas e candidatos.

Até ao final da próxima semana, dez dias depois da entrega das ofertas vinculativas, deverão ser escolhidos os candidatos que passam à segunda fase em que será apresentada a oferta vinculativa pelo banco bom do BES.