Rádio Observador

Comida

De Taiwan com amor: um mapa da comida portuguesa

2.824

Leslie Wang desenha tudo o que come. Chegou a Portugal há dois meses e desde então já ilustrou um mapa gastronómico do país e desenhou 17 pratos no Belcanto. As surpresas não ficam por aqui.

Autor
  • Inês Matos Andrade

“Tenho medo de não conseguir experimentar toda a comida que quero na minha vida.” É desta forma que Leslie Wang, ilustradora, 25 anos, nascida em Taiwan, apresenta um bloco de esquissos em papel reciclado de onde saltam pratos coloridos desenhados a lápis de cor e marcadores. É o diário dela, uma coleção de memórias onde nada se perde, da textura à cor. Leslie veio para Portugal há dois meses e chamou a atenção dos foodies com as fotografias/gravuras que publica no seu Instagram. No Peixe em Lisboa os chefs caíram de amores pela sua arte. Dois dias depois passou mais de sete horas a desenhar quase duas dezenas de pratos no Belcanto. Mas já lá vamos.

Leslie Wang, fotografada na Praça das Flores. © Inês Matos Andrade/Observador

No início usava sempre o braço para esconder o desenho. A vergonha era muita, mas o que vencia era a vontade de desenhar uma trivial sandes de almoço, nos primeiros anos da faculdade. Leslie estudou Design, mudou para Língua Inglesa, “porque as artes não dão sustento”, mas acabou por se render à vocação e optar por um mestrado em Design de Interiores nos Estados Unidos da América. Foi quando aceitou fazer parte de um intercâmbio para a América do Sul que um dos professores a apanhou a desenhar. Na Bolívia, Leslie estava extasiada: “havia ingredientes impressionantes por todo o lado, imensas frutas e muita cor. Eu comprava tudo no mercado só para garantir que não perdia um registo.” O professor gostou tanto do que viu que a pôs em contacto com o Gustu, um restaurante na Bolívia que pertence aos The World’s 50 Best Restaurants.

A fachada do Gustu, um restaurante boliviano que está na lista dos melhores do mundo (imagem retirada do Facebook).

Leslie voluntariou-se a passar um mês no restaurante só a desenhar. Acabou por ficar sete. Rabiscou menus e documentou mais de duas centenas de ingredientes. O Gustu representa um verdadeiro movimento gastronómico na Bolívia. Na cozinha usam apenas produtos autóctones de todas as regiões do país. Explicar alguns dos ingredientes aos clientes pode tornar-se um trabalho ingrato, por isso é que a galeria de produtos listada por Leslie ganhou uma vertente pedagógica: o cliente não conhece o ingrediente, os empregados explicam com uma imagem original. Foi precisamente sobre a influência que o ambiente e a imagem de um restaurante têm na perceção dos clientes que Leslie escreveu a sua tese de mestrado. Depois de ter conquistado um professor na Bolívia, foi nos Estados Unidos da América que o seu orientador — um writer apaixonado pela street art lisboeta — a convidou a fazer uma exposição na capital portuguesa.

Screen Shot 2015-04-28 at 15.15.12

Segundo esta ilustração, na Bolívia comem-se piranhas e caracóis.

Leslie chegou a Lisboa no final de fevereiro. Durante um mês esticou uma folha de papel de cenário de quase dois metros na mesa de mais 30 restaurantes. Falava com donos, turistas, locais. Perguntava o que se comia em Portugal, em Lisboa, no Algarve. O que tomam os portugueses ao pequeno-almoço? E ao lanche? Que crustáceos se usam num arroz de marisco? Tudo o que lhe contavam — e tudo o que comia — saltava para aquele rolo de metro e meio. Entre 21 e 31 de março, o Studio Teambox, na Lx Factory, mostrou os trabalhos de Leslie e de mais 10 artistas na exposição Bife Stew. A exibição incluiu o mapa de Portugal ao lado de um de Taiwan: “as semelhanças entre os dois países são irrefutáveis. Na Formosa,” — brinca Leslie — “também temos muito marisco e os pastéis de nata estão à venda no KFC”.

mapas

Os mapas de Portugal e Taiwan, lado a lado, na exposição Bife Stew, na Lx Factory.

À semelhança do que aconteceu na Bolívia, os outros estudantes foram embora, mas ela ficou. Aproveitou para conhecer Porto e Aveiro. Por onde passava era abordada por turistas fascinados com os seus esboços em folhas A3 e os donos de restaurantes imploravam que desenhasse a ementa completa. Mas foi de regresso à capital, no Peixe em Lisboa, que fez amigos. Experimentou pratos de vários stands, conseguiu “gostos” do chef Hugo Nascimento em todas as suas publicações de Instagram e travou amizade com José Avillez. O chef de duas estrelas Michelin nem sequer lhe deu hipótese e comprou o mapa de Portugal original. Por quanto? Leslie responde sempre a esta pergunta com um sorriso fugidio. Dias depois estava à porta do Belcanto com o tão cobiçado mapa enrolado debaixo do braço. Mal ela sabia, enquanto tocava à campainha, que iria passar sete horas a registar mais de 17 pratos do Belcanto.

Screen Shot 2015-04-28 at 14.27.45

O primeiro traço do famigerado prato Galinha dos Ovos de Ouro de José Avillez. Só falta colorir.

Com o mapa fora de cena, Leslie foi desafiada pela Studio Teambox a criar um booklet que aglomerasse toda a oferta gastronómica da Lx Factory. A brincadeira começou com ilustrações da 1300 Taberna, gulodices da Oh! Brigadeiro e um almoço no Malaca Too. No entanto, rapidamente a ideia explodiu para fora dos armazéns de Alcântara. E assim nasce — sairá para a rua, oficialmente, no dia 1 de maio — a Once, uma fanzine de 16 páginas onde Leslie Wang ilustra a sua visão da gastronomia alfacinha. “Once Studio é o nome da minha documentação gastronómica desde sempre. Quis chamar-lhe once por duas razões: não tenho limite para o que quero provar, sei apenas que quero provar tudo pelo menos uma vez na vida. Além disso, once soa-me a ‘one-shi’ que em chinês significa ‘brincar com a comida’.”. O Observador teve acesso ao primeiro teste onde pequenas correções — como “abatanado” em vez de “abotonado” — estão a ser feitas. Aqui estão algumas das páginas:

Os puristas que recuem já as críticas. O mapa não está (nem quer estar) dividido por regiões e, portanto, é natural encontrar a francesinha no Minho ou o Vinho do Porto no Alto Alentejo. Também na fanzine as imagens de Leslie funcionam apenas como um diário: “não quero ser uma especialista em gastronomia portuguesa”. Daí que as chamuças estejam listadas como pequeno-almoço. Este é apenas o número um, mas Leslie sonha que um dia a Once possa ser uma espécie de Lucky Peach, a revista do chef David Chang.

Antes de a fanzine estar à venda na Studio Teambox, ou nos restaurantes que aceitaram colaborar com ela, pode sempre seguir o seu trabalho na conta de Instagram Oncestudio ou na página de Facebook Eat Play Love. Se a encontrar numa mercearia ou café em cima de uma cadeira a desenhar comida, não se admire. Leslie é uma miúda desenrascada que, com boa disposição, conseguiu pedidos de ilustração de vários espaços. Já foi convidada pela Quinoa, pela Bettina & Niccòlo Corallo e pela Queijaria para animar as paredes das lojas com o seu trabalho. Meta conversa com ela e leve-a a jantar fora. Foi o que o Observador fez.

Screen Shot 2015-04-28 at 15.44.51

Leslie a desenhar uma “cheese wall” na Queijaria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)