O fundador da companhia aérea brasileira Azul, David Neelman, confirma a entrega de uma proposta para a compra da TAP que irá proporcionar “muito capital” à transportadora portuguesa.

Em entrevista telefónica à Bloomberg, o empresário americano defende ainda a necessidade de renegociar a dívida da ordem de mil milhões da TAP. “Os bancos têm de ir a jogo, todos temos de trabalhar juntos, há um grande interesse em assegurar que a TAP é um sucesso”, sublinhou.  Grande parte da dívida da companhia nacional é de curto prazo, o que pressiona a tesouraria da TAP, para além de onerar os encargos financeiros. Os principais bancos são portugueses.

Caso vença a privatização, o empresário pretende trabalhar em sintonia com a empresa brasileira Azul.

David Neeleman é o líder de um consórcio que entregou uma das três propostas de compra da TAP e que inclui ainda o presidente do grupo Barraqueiro, Humberto Pedrosa, entre outros participantes. A solução jurídica e económica encontrada terá de ultrapassar o limite de 49% que a lei comunitária impõe à participação de não europeus no capital de companhias aéreas.

 

Para além do dono da Azul, entregaram propostas Gérman Efromovich e o investidor Pais do Amaral.