Com a investigação aos casos de corrupção a decorrer na Suiça e nos Estados Unidos, as atenções viram-se agora para os Mundiais de 2018 e 2022 e a sua organização, caso se prove que houve subornos nas escolhas dos países anfitriões. Em 2018 o Mundial seria organizado pela Rússia e em 2022 pelo Qatar. Os segundos classificados nos dois casos, Inglaterra e Austrália, dizem que podem avançar e organizar os eventos.

Esta quinta-feira, o secretário de Estado do Desporto, John Whittingdale, disse no Parlamento britânico que se a FIFA pedir a Inglaterra para organizar o evento, “temos condições neste país para realizá-lo e fizemos um grande esforço para nos candidatarmos a acolher o mundial de 2018”. Na corrida para organizar o evento, estava também a candidatura conjunta de Portugal e Espanha, assim como outra candidatura conjunta entre Bélgica e Holanda e ainda a candidatura única da Polónia.

Já no que diz respeito ao Mundial de 2022, para além do Qatar que acabou por ser o local escolhido, estavam na corrida Austrália, Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos da América. A ministra do Desporto da Austrália, Sussan Ley, disse que o país também pode acolher a edição de 2022, mas apenas se houver grandes mudanças na estrutura da FIFA.