Caso José Sócrates

António Costa: “Não compete ao PS substituir-se à acusação ou à defesa” de Sócrates

208

Costa quer "despoluir" debate político de casos de justiça, como o de Sócrates. Elogiando independência das magistraturas, diz que compete à defesa do socialista apresentar "versão da história".

© Hugo Amaral/Observador

António Costa comentou esta segunda-feira a revisão da medida de coação do ex-primeiro-ministro do PS José Sócrates, preso preventivamente por fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais, considerando que “não compete ao PS substituir-se quer à acusação quer à defesa, nem muito menos ao juiz, que deve julgar”.

“Tenho tido uma regra da qual não me desviarei um milímetro. Trata-se de um caso de justiça. A defesa apresentará a sua versão da história”, começou por dizer Costa, quando questionado no Fórum da TSF esta manhã, onde esteve em direto a responder às perguntas dos ouvintes, acrescentando que quer “despoluir” o debate político destes casos de justiça porque “respeita a independência da justiça e a sua autonomia”.

O ex-ministro de Sócrates fez um elogio à independência das magistraturas e ao sistema de justiça português, considerando-o “o mais avançado da Europa”. “O poder político não tem a possibilidade de interferir nem favorecendo nem dificultando”, explicou Costa, que foi também ministro da Justiça de António Guterres.

Sócrates está detido preventivamente desde novembro e o Ministério Público propôs a reavaliação da medida de coação para que possa ficar detido em casa com pulseira eletrónica.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sporting

O país do sol aos quadradinhos

Miguel Alvim

Como nos casos BPN, BPP, BES/NOVO BANCO/PT, no processo Casa Pia ou na tentativa do assalto ao poder de José Sócrates, também no Sporting a solução eficiente acabará por ser judiciária.

Sporting

Bruno de Carvalho/Sócrates: semelhança e diferença

Filipe Arantes Gonçalves
518

Ambos tentam compensar défices na auto-estima com um narcisismo doentio, embora José Sócrates mantenha o contacto com o real, enquanto Bruno de Carvalho perde essa relação através do delírio paranóide

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)