Sumários das aulas, trabalhos de casa, datas dos testes e outras avaliações, bem como as respetivas notas, e ainda as faltas. Toda esta informação, e mais alguma, estará acessível aos encarregados de educação a partir do ano letivo 2016/2017, em algumas escolas-piloto, através de uma plataforma centralizada no Portal das Escolas, na Internet. O projeto será generalizado em setembro de 2017. Pelo menos essa é a intenção deste Governo.

Mas há mais. Também a partir de setembro de 2016 os encarregados de educação receberão um alerta (por e-mail), sempre que o aluno estiver em “situação de risco de insucesso ou abandono”. Todas estas novidades foram apresentadas por Teresa Evaristo, da Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência, numa sessão pública no Teatro Thalia, no Palácio das Laranjeiras, na quarta-feira à tarde, sobre a modernização e a simplificação administrativa no Ministério da Educação e Ciência.

Para já, este projeto inserido no SIGA (Sistema Integrado de Gestão de Alunos) entrará em fase piloto em 15 escolas em setembro de 2016. “As escolas serão acompanhadas e monitorizadas durante um ano e em setembro de 2017 o projeto é generalizado“, explicou ao Observador fonte oficial do Ministério da Educação.

Atualmente já há escolas e encarregados de educação que conseguem ter acesso a este tipo de informação dos filhos, entrando nos sites das respetivas instituições. Acontece que “os sistemas existentes nas escolas são muito diferenciados”, começou por afirmar o gabinete de comunicação do Ministério da Educação.

“Há escolas que têm um sistema muito completo, mas há outras que não têm quase nenhuma dessas funcionalidades. Há ainda outras que, não adquirindo esse tipo de módulos de comunicação com os encarregados de educação, colocam nas suas páginas da Internet informação que deveria ser acedida apenas por utilizadores registados. Essa é uma prática que a Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência tem vindo a monitorizar e a corrigir”, explicou a mesma fonte ao Observador, alertando para o problema da segurança da informação nestes sites.

Professores e diretores de turma vão poder acompanhar percurso dos alunos

Além da informação que será disponibilizada aos encarregados de educação, também os docentes e diretores de turma terão mais dados sobre os alunos.

Atualmente, sempre que um aluno muda de escola o seu processo “segue-o em papel”. Os sistemas de informação que existem são locais e a informação acaba por ficar “fechada àquela escola e não acessível às outras”. Com a criação deste sistema centralizado, se um aluno transitar de uma escola para outra, a escola de destino “recebe toda a informação” pois estará numa plataforma centralizada.

“Os docentes e diretor de turma acedem a todo o percurso do aluno que recebem, incluindo informação sobre atividades desenvolvidas no âmbito de apoios que o aluno possa ter tido a algumas disciplinas. Estamos a falar quase de uma espécie de portfólio”, rematou a mesma fonte do Ministério.

Com a legislatura a chegar ao fim, resta saber se o próximo Executivo dará seguimento ao trabalho que já está em marcha.