Se há cursos em que o emprego é um dado adquirido mal se obtém o canudo, ou até mesmo antes, outros há em que o desemprego é como uma nuvem carregada que paira sobre a cabeça dos estudantes e que acaba por atingir muitos deles. Há 43 cursos, que vão abrir vagas no próximo ano letivo, em que a taxa de desemprego ultrapassa, e em alguns casos largamente, os 20%.

Isto significa que mais de um quinto dos estudantes que se diplomou em cada um desses cursos, entre 2009/10 e 2012/13, estava, em dezembro de 2014, inscrito num qualquer centro de emprego, à procura de trabalho.

É o caso, por exemplo, de Artes e Humanidades, na Faculdade de Letras, da Universidade de Lisboa, que regista uma taxa de desemprego de 50%. Este ano letivo esse curso ficou com as 60 vagas preenchidas. No próximo ano voltarão a abrir 60 vagas e a média mínima de entrada são 12,6 valores. De acordo com os dados enviados pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC) às universidades e politécnicos públicos, e a que o Observador teve acesso, chegou a existir um curso nesses quatro anos em análise (que já não abriu no ano letivo passado, nem abrirá no próximo) que apresentava uma taxa de desemprego de 100%, em dezembro passado – Ecologia e Paisagismo, no Politécnico de Viseu.

Mas fixando-nos no universo dos 43 cursos com mais desemprego que vão estar a funcionar no próximo ano, concentrados sobretudo no norte e no interior do país, destacam-se (pela proporção) seis cursos da área de Áudio-visuais e Produção dos Media e cinco na área do Trabalho social e Orientação, com taxas de desemprego entre os 20 e os 36%. Todos os cursos podem ser consultados, mais abaixo, na lista que o Observador elaborou com base nos documentos oficiais sobre o desemprego dos cursos enviados aos reitores e que, entretanto, já retificou, face à lista que tinha publicado na quinta-feira. Na altura, o Observador tinha avisado que seria necessário aguardar pelos dados do ministério de Nuno Crato sobre as vagas do próximo ano para perceber quais daqueles cursos estariam a funcionar e dos 61 restaram 43.

Se saltarmos de cursos em particular para as grandes áreas de formação do ensino superior com mais desemprego registado em dezembro de 2014, o pódio fica preenchido pelos cursos de Biblioteconomia, arquivo e documentação (16,1%), Trabalho social e orientação (15,8%) e Serviços de saúde pública (14,4%). Contudo, numa perspetiva mais alargada, ou seja, tendo em consideração todos os diplomados em cada área (e não apenas aqueles que terminaram o curso entre 2010 e 2013), as áreas que dominam em termos de desemprego são Ciências empresariais (16%), Formação de professores e Ciências da educação (11,5%) e Ciências sociais e do comportamento (11,3%), de acordo com os dados recentemente publicados pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC). Ciências Sociais e do Comportamento é, de resto, das áreas com mais procura por parte dos estudantes e onde abrem mais vagas. No próximo ano vão abrir no conjunto dos cursos desta área 7.686 vagas.

Estes dados têm de ser sempre lidos com algum cuidado pois o indicador não é perfeito. Além de nem todos os desempregados estarem inscritos em centros de emprego, há jovens que podem estar a trabalhar numa área que não a sua de formação. Porém, na impossibilidade, até agora, de construir um indicador melhor, este é o único que existe e permite já ter algumas noções.

Desemprego trava aumento de vagas nos cursos

A questão da empregabilidade dos cursos é relevante para os alunos na hora de escolherem aquele que consideram ser o melhor curso, mas também é importante para determinar o número de vagas em cada curso no ano seguinte. É que com este Governo, a fixação do número de vagas passou a depender também deste indicador.

Em resumo, se a taxa de desemprego de um curso numa determinada instituição for, ao mesmo tempo, superior ao nível de desemprego da respetiva instituição (considerando todos os cursos lá lecionados) e ao nível geral de desemprego do ensino superior, no ano seguinte o número de vagas fica congelado, ou seja, não pode aumentar.

Dos 146.577 diplomados entre 2010 e 2013 no conjunto de todos os cursos das instituições de ensino superior públicas, 12.614 estavam inscritos num centro de emprego em dezembro de 2014, o equivalente a uma taxa de desemprego de 8,6%.

Vale sempre a pena ter um canudo

Independentemente desta análise, que mostra, entre outras realidades, que há 43 cursos com taxa de desemprego superior a 20%, convém não esquecer que ter uma habilitação superior é sempre um trunfo quando se procura entrar no mercado de trabalho e progredir na carreira.

Olhando para os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE), no primeiro trimestre de 2015 havia 712.900 desempregados. Desses, mais de metade (55,3%) tinha concluído, no máximo, o 3.º ciclo (9.º ano de escolaridade), 27,9% completaram o 12.º ano e 16,8% tinham habilitação superior. Já os dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) apontam para 554.070 inscritos em centros de emprego. Desses, 56,5% tinham habilitações até ao 2.º ciclo (sexto ano), 19,9% tinham o 9.º ano completo, 23,6% o ensino secundário e 13% habilitações superiores.

[Este artigo, publicado na passada quinta-feira, foi atualizado, às 00h00 de domingo, tendo já como referência os cursos que efetivamente vão abrir no próximo ano, daí que o número tenha reduzido de 61 para 43, sendo que a análise global às áreas com mais desemprego registado se mantém]