Rádio Observador

Cinema

Os filmes de Jacques Tati foram restaurados e voltam aos cinemas de Lisboa e Porto

199

As seis longas-metragens e as sete curtas restauradas digitalmente vão ser exibidas em Lisboa e Porto. Ilustradores como André Letria e Sara-a-Dias criaram um cartaz especial para cada filme.

A 1 de setembro, a programação chega ao Teatro Municipal Campo Alegre, no Porto

Autores
  • Sara Otto Coelho
  • Agência Lusa

Todo o cinema do realizador francês Jacques Tati será exibido, pela primeira vez, nos próximos dias, em Lisboa e Porto, em versão digital restaurada.

A programação dedicada ao mestre francês da comédia foi preparada pela Leopardo Filmes e contará com todas as seis longas-metragens do realizador, falecido em 1982 em Paris. A retrospetiva começa no dia 20 de agosto, às 21h30, no Espaço Nimas, em Lisboa, com “Sim, Sr. Hulot” (1971). Serão ainda exibidos “Há festa na aldeia” (1949), “As férias do Sr. Hulot” (1953), “O meu tio” (1958), “Playtime – Vida moderna” (1967) e “Parade“, o último filme, feito em 1974 para a televisão sueca.

O público vai poder ver também sete curtas-metragens de exibição inédita em Portugal, que o cineasta escreveu ou interpretou. São elas “Procura-se brutamontes” (1934), de Charles Barrois, “Domingo animado” (1935), de Jacques Berr, “Cuida do teu gancho esquerdo” (1936), de René Cleement, “A escola de carteiros” (1946), de Tati, “Aulas noturnas” (1967), de Nicoolas Ribowski, “Especialidade da Casa” (1976), de Sophie Tatischeff (filha, montadora e assistente de Jacques Tati), e “Força, bastia” (1978), feito a meias entre pai e filha.

A acompanhar o ciclo, o Espaço Nimas acolherá uma exposição de cartazes de cada uma das longas-metragens de Jacques Tati, reinterpretadas pelos ilustradores portugueses André Letria, Marta Monteiro, Madalena Matoso, João Fazenda, Catarina Sobral e Sara-a-Dias, alter-ego de Sara Osório, e que podem ser vistos aqui:

©Marta Monteiro

A 1 de setembro, a programação chega ao Teatro Municipal Campo Alegre, no Porto. Jacques Tati, que tinha ascendência russa, francesa e holandesa, protagonizou todos os seus filmes. Se em “Há festa na aldeia” era o distraído carteiro François, nas restantes longas-metragens (excetuando “Parade”) assume uma das mais conhecidas personagens, que se lhe colou à pele para sempre: o desconcertante Sr. Hulot, de chapéu, cachimbo e gabardine.

A primeira vez que Jacques Tati se filma como Sr. Hulot foi em “As férias do Sr. Hulot”, filme exibido em Cannes e nomeado para os Óscares. Seguiu-se a comédia “O meu tio”, que lhe valeu em 1959 a estatueta dourada de melhor filme estrangeiro.

Depois dos ambientes campestres, dos tempos de veraneio e em família, Tati filmou a vida moderna numa grande cidade, Paris, em “Playtime” – um ícone do cinema, mas um fracasso de bilheteira que levou o realizador à falência -, e “Sim, Sr. Hulot”, sobre uma aventura nas autoestradas de França e da Bélgica.

Em “Parade”, o filme com que se despediu na década de 1970, Jacques Tati presta um tributo ao mundo do espetáculo e do circo. Jacques Tati morreu em 1982, vítima de uma pneumonia, deixando por concluir o projeto “Confusion”. Em 2010, o realizador Sylvain Chomet rodou o filme animação “O mágico”, a partir de um argumento de traços biográficos escrito por Jacques Tati na década de 1950, com referências a uma filha ilegítima do cineasta.

Os bilhetes para as sessões já estão à venda por seis euros. Na compra de quatro bilhetes, o quinto é gratuito. Para menores de 15 anos, o bilhete tem o custo de três euros. Braga, Coimbra, Figueira da Foz e Setúba também vão receber algumas exibições.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)