Rádio Observador

Ciberespionagem

Do estrangeiro à sede da ONU. Operadora AT&T foi “altamente cooperante” com a NSA

Graças à "altamente cooperante" empresa de telecomunicações AT&T, a NSA chegou a processar 60 milhões de e-mails por dia. Informação foi avançada ao NYTimes e ao ProPublica por Eduard Snowden.

Getty Images

A operadora de telecomunicações norte-americana AT&T foi “altamente cooperante” com a Agência de Segurança Nacional norte-americana, à qual forneceu os dados de “milhares de milhões” de telefonemas e de dados cibernéticos, incluindo e-mails, dos seus clientes — entre estes, estava a sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. Esta parceria com a NSA (National Security Agency) terá acontecido até ao ano de 2013.

Além disso, também os clientes de outros serviços, inclusive estrangeiros, terão tido a sua privacidade violada com a cooperação da AT&T. “A cedência por parte da AT&T de tráfego no estrangeiro [isto é, fora dos EUA] tem sido particularmente importante para a NSA, porque uma grande porção da das comunicações mundiais na Internet são feitas através de cabos norte-americanos”, escreve o New York Times e o ProPublica. As duas publicações publicaram esta informação num regime de co-autoria depois de terem recebido documentos nesse sentido de Edward Snowden.

A AT&T é a segunda maior operadora de telecomunicações dos EUA. Segundo o portal Statistica, detém 32,1% do mercado, estando apenas ligeiramente atrás do seu maior concorrente, a Verizon, que controla 36,5% do negócio. A relação próxima entre os serviços de segurança norte-americanos e as empresas de telecomunicações não é novidade — o que não é sabido de forma pública, e que esta investigação veio revelar, é a dimensão desta cooperação e os meios usados.

Embora não seja sabido quanto é que a NSA pagou à AT&T a propósito desta parceria, pode ler-se nos documentos em causa que o orçamento para o ano de 2013 associado a esta operação, era mais do dobro do que o montante canalizado para o segundo maior programa deste tipo.

“Isto é uma parceria, não é uma relação contratual”

Segundo o New York Times, a parceria entre a AT&T e a NSA atingiu um ponto alto em 2013, altura em que a agência de segurança era capaz de processar 60 milhões de e-mails trocados fora dos EUA por dia. Isto tornou-se possível graças a uma estreita relação entre as duas entidades. Num documento analisado pelos jornalistas do jornal nova-iorquino e pelo ProPublica, constava uma nota que aconselhava os funcionários da NSA a serem “simpáticos” quando visitassem as instalações da AT&T em trabalho. “Isto é uma parceria, não é uma relação contratual”, pode le-se nos documentos fornecidos por Edward Snowden.

A AT&T recusou pronunciar-se sobre o tema. “Não comentamos assuntos relacionados com segurança nacional”, disse um porta-voz da empresa ao New York Times e ao ProPublica.

Snowden ficou conhecido depois de ter denunciado as várias formas como as autoridades norte-americanas acediam a informações e dados privados dos cidadãos. O antigo administrador de sistemas informáticos de uma empresa que trabalhava com a NSA denunciou a situação ao jornal britânico The Guardian no verão de 2013 durante uma série de entrevistas dadas num hotel em Hong Kong — o filme Citizen Four documenta esses dias detalhadamente. Pouco tempo depois disso, a Rússia aceitou o seu pedido de asilo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)