Rádio Observador

Porto

Mesmo sem APEL, os livros vão estar em festa no Porto

Pela segunda vez, a Câmara Municipal do Porto organiza a feira do livro. Os participantes aumentaram. O programa cultural inclui cinema, atividades para os mais novos e 10 debates com escritores.

Rui Oliveira / Global Imagens

Autor
  • Sara Otto Coelho

A Feira do Livro do Porto arranca esta sexta-feira com 130 pavilhões, um aumento de 30% face ao ano passado, anunciou a Câmara Municipal do Porto, que tem a cargo a organização. Até 20 de setembro, editoras, alfarrabistas, escritores e leitores vão encontrar-se nos Jardins do Palácio de Cristal. Assim como Agustina Bessa-Luís, que ali ficará imortalizada numa flor.

É certo que, apesar do aumento nas presenças, a Feira do Livro do Porto tem metade dos pavilhões que este ano foram montados na 85.ª Feira do Livro de Lisboa, organizada pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL). Mas o crescimento é positivo se recordarmos que, em 2013, a segunda cidade do país não teve mais do que uma dúzia de livros no evento de protesto “Não há feira mas há escritores”, contra o diferendo entre a Câmara Municipal do Porto e a APEL, que resultou no cancelamento da tradicional feira.

Ainda assim, os dois  maiores grupos editoriais portugueses, Porto Editora e Leya, não vão participar com pavilhões próprios. No ano passado, nenhum livro da Porto Editora pôde ser vendido na feira. Mas como o município alterou os regulamentos, passando a permitir que as editoras possam delegar em um ou mais livreiros a comercialização dos respetivos livros, este ano há três livreiros autorizados a comercializar publicações do grupo, disse ao Observador Paulo Gonçalves, diretor de comunicação da Porto Editora.

Agustina Bessa Luís, a escritora que há 92 anos nasceu em Amarante, mas que escolheu a Invicta como morada definitiva, vai ser homenageada. De acordo com a Câmara Municipal do Porto, a sua obra será tema “de um dos debates da feira, de uma Quinta de Leitura [a 17 de setembro, às 17h00] e de uma exposição, entre outras atividades, nas quais participarão várias personalidades da literatura e da cultura tais como Isabel Ponce Leão, Mónica Baldaque e Zita Seabra”.

O momento mais especial da homenagem está marcado para este sábado, 5 de setembro. Às 17h00, uma das Tílias dos jardins do Palácio de Cristal vai passar a chamar-se Agustina Bessa-Luís, à semelhança do que foi feito no ano passado com Vasco Graça Moura. Ao lado será instalada uma placa onde se poderá ler uma frase proferida pela autora de A Sibila: “o amor é o invisível no habitual”.

Para além da venda de livros, estão previstos 10 debates (Richard Zimler, Valter Hugo Mãe, Sérgio Godinho, Alice Vieira, Álvaro Magalhães e Francisco José Viegas são alguns dos participantes), apresentações e sessões de autógrafos, spoken word (Valete inaugura esta sexta-feira, às 2200), sete sessões de cinema sobre a relação entre a palavra, a felicidade e a sétima arte, exposições e atividades destinadas aos mais novos.

cinema feira do livro porto

Programa de cinema na Feira do Livro

O serviço de trocas escolares, que funciona habitualmente no Gabinete do Munícipe, muda-se para a Feira do Livro. Quem quiser petiscar entre atividades também terá ao dispor uma zona de restauração.

A Feira do Livro do Porto vai funcionar de segunda a quinta-feira, das 15h00 às 22h00, sexta-feira das 15h00 às 23h00, sábado das 12h00 às 23h00 e domingo das 12h00 às 22h00.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)