A duas semanas do arranque do ano letivo 97 conservatórios privados vão sofrer uma redução drástica nos estudantes cofinanciados pelo Ministério da Educação e Ciência. Segundo o Diário de Notícias, esta medida terá consequências até na organização das escolas públicas.

Citado pelo mesmo diário, a Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo (AEEP) refere que só em 30% destes 97 estabelecimentos há uma redução de 2519 alunos apoiados em comparação ao último ano letivo. Estes números representariam um corte de mais de 8000 lugares disponíveis.

Os maiores problemas que afetam as escolas públicas surgem no corte de 97% nas iniciações, uma oferta extracurricular do 1º ciclo, de 79% no básico supletivo, que é oferecido também como complemento dos currículos escolares tradicionais; e de 16% no ensino básico articulado. Ou seja, esta situação afeta as escolas públicas na medida em que parte do currículo dos alunos do articulado era oferecida pelos conservatórios, substituindo disciplinas como Educação Musical e Educação Visual e Tecnológica.